Bem vindo à Etherion... ou quase isso!

610 85 629

Olá, seja muito bem vindo!

Muito obrigado por ler "A Filha do Tempo".

Antes de começar, quero lhe ofertar algo em troca por ler minha história.

Se quiser um feedback verdadeiro do meu ponto de vista sobre sua obra, me dá um toque no privado. Me comprometo a ler três capítulos do seu livro, votar nos três e comentar o que realmente achei. Se estiver interessado, me chama no privado e conversamos.

O objetivo aqui é te ajudar, não importa que tenha ou não tempo de ler meus projetos. Não sou um expert em ortografia e literatura, mas acredito que podemos nos ajudar mais aqui no Wattpad.

Farei isso no meu tempo, pois estou comprometido com meus grupos de leitura (se quiser participar e aumentar suas views, curtidas e comentários, me chama no privado também) e com o resto da minha vida, que infelizmente não se resume a ler e viajar com minha linda e maravilhosa esposa - quem sabe quando aposentar.

E quero agradecer à querida e talentosa JULIA_BINTY que fez essa linda capa para o livro. Muito obrigado mesmo 😊.

Bem, sem mais lero, leros, vamos à história!

Abraços e ótima leitura!

  ✥-------------------✥-------------------✥  

O autor - Rodrigo Zandonadi, aquele que registrou os relatos, ou seja, eu

Foi uma quarta-feira, lembro-me bem disso. Afinal, quem não gravaria na memória o dia em que sua versão de uma *realidade alternativa aparece na sua casa buscando abrigo?

Como se estivesse olhando um espelho (em uma versão muito melhor, já que tinha ganhado uns quilinhos desde quando tinha 15 anos - umas boas duas décadas atrás), eu encarei, surpreso, eu mesmo com quinze anos, vestindo uma armadura de couro sobre uma camiseta preta com os dizeres "CTPE - Treinando os salvadores de amanhã", e a julgar pela espada que ele carregava, não deveria ser uma iniciativa dos bombeiros para adolescentes.

- E então - ele/eu perguntou -, vai abrir o portão ou vamos ficar aqui fora, congelando? Sério, tá frio.

- Voce não gosta mesmo do frio né. É tão bom - disse uma voz feminina que reconheci.

- Frio é bom quando a gente tá na cama, enrolada no edredom. Oxe, aqui não é não - falou a voz de uma terceira menina, muito familiar.

Eram quatro da madruga, e minha esposa Deborah continuava dormindo. Sem saber o que fazer eu fui até lá fora, segurando uma vassoura. Antes de chegar ao portão, olhei para minha arma mortífera e, suspirando a larguei encostada-se à parede.

Na boa, o cara tinha uma espada. Uma espada de verdade, então uma vassoura não ajudaria em nada - não para um cara como eu que não sabia usar vassouras como armas nem em jogos de vídeo game. Quando eu tinha a idade dele não podia usar nem estilingue.

Abri o portão e então as duas meninas se levantaram da frente da casa do vizinho, onde estavam sentadas encostadas no portão. As duas eram branquinhas, e usavam calça jeans e blusas pretas, mas uma tinha o cabelo castanho claro e a outra o cabelo preto. A primeira delas era a cópia exata da Deh, minha esposa, quando tinha quinze anos.

- Nossa - ela disse -, você está com cara de homem, mas não mudou tanto.

Eu achei que ela falava comigo, mas foi o meu eu mais jovem que respondeu:

- Pode até ser... Mas ele é mais gordinho.

A outra garota, que era minha cunhada Priscila cuspida e escarrada, como diria meu sogro, deu risada.

A Filha do Tempo e os Elementos PrimordiaisLeia esta história GRATUITAMENTE!