29 e agora?

1.6K 194 9

Depois da noite maravilhosa que tivemos entre as flores, eu e o conde, não  dormíamos mais em quartos separados. tê-lo todas as noites junto comigo era sempre muito bom. Pela manhã ele saía cedo e cumpria com seus afazeres como conde de downton,  tentando reconstruir tudo o que o George havia destruído e colocar em ordem toda sua bagunça.  Para isso precisava também recuperar a confiança dos camponeses, que por causa do meu primo estavam vivendo com precariedade, pagando ao conde impostos altíssimos.
Enquanto ele saía, eu ficava em casa e reorganizava tudo na propriedade, os quartos já estavam praticamente prontos, a sala de música que  nós  adorávamos recebeu um novo toque feminino, haviam sempre flores alegrando e perfumando os ambientes e o jardim é claro, estavam ficando magnífico. Quando o tempo estava bom, eu mesma ajudava o jardineiro a plantar as novas mudas e cuidar das mais antigas. Os empregados da casa já confiavam em mim e eu neles. A senhorita Sheldon,  a quem eu agora chamama de Laila,  estava sendo antes de tudo uma amiga. Dei-lhe uma boa quantia por ter me ajudado com o meu falecido marido, ela só aceitou a quantia para poder dar um dote as três irmãs mais novas, que como a maioria das moças da sociedade sonhavam com um bom casamento  para que não precisassem trabalhar como criadas na casa de alguém mais favorecido financeiramente.
Apesar de tudo parecer perfeito, algo dentro de mim se inquietava dia e noite. Ainda não tinha confessado ao meu marido os meus verdadeiros sentimentos,  e no fundo da minha alma eu desejava que ele sentisse o mesmo.  Apesar de sempre me tratar bem, o máximo que ele dizia sentir por mim era profundo carinho, e eu já começava a odiar essa expressão. Teria que me conformar com apenas carinho pra o resto da vida, quando o meu peito estava repleto do mais intenso amor?
Genie e tina sempre diziam que eu tinha que dizer o que estava sentindo, sempre que escreviam pra mim repetiam a mesma coisa, como se pudessem sentir minha angústia.  Tina,  que foi parar em um manicômio por tentar viver um amor proibido com um dos empregados do pai, acabou por descobrir quando saiu, que ele já estava com outra, e sofreu muito. mesmo assim, garantia que era melhor saber logo a verdade, do que viver uma falsa esperança que só crescia e tornava a dor da perda muito pior. E se ele , de fato me amasse também,  eu estaria todo esse tempo, sofrendo a tôa. Neste ponto Laila concordava plenamente com as duas, e sempre dizia que obviamente o conde me amava, eu só precisava tomar uma atitude e falar com ele.
Já faziam mais de dois meses que estávamos casados, e eu já não suportava essa aflição.  Hoje eu iria falar com ele! Sabia que estava em casa trabalhando no escritório.
Desci as escadas em direção ao seu escritório  antes que a coragem sumisse, como sempre acontecia. Mas antes de chegar lá pude ouvir sua voz falando com alguém.

Que lástima!  Ele deve estar com algum arrendatário ou comerciante da região.

Derrepente ouço seu nome ser chamado por uma voz melodiosa. Seu primeiro nome, de forma tão íntima que me fez parar exatamente onde estava.

-Derek querido, você jurou que sempre me amaria, que seria incapaz de amar outra mulher depois de mim,  e veja, o destino nos quer juntos! Você agora é um homem tão rico e poderoso,  essa mansão deve ter uns cem quartos. Me instale em um deles e serei sua amante, como nunca deveria ter deixado de ser!

O que?  Amante? Meu marido teve uma amante? Lhe fazia juras de amor? Então é por isso que não consegue sentir mais que carinho por mim? Por isso era tão frio quando o conheci?

-Margot,  percebe o que está me pedindo? Eu estou casado agora, esta é minha casa, minha esposa também mora aqui.  E veja só você... tem uma criança nos braços!

Margot? Então ele também a chamava pelo primeiro nome?

-querido, eu sei muito bem que o seu casamento foi um arranjo pra salvar a vida dessa pobre mulher que iria pra sargeta. Além disso,  você não será o primeiro nobre com uma amante oficial. Quanto a criança,  ainda bem que tocou no assunto, este é o  David,  com D de Derek. isso mesmo, exatamente o que está pensando. Esse é o nosso filho Derek,  veja,  tem seus olhos azuis e até a mesma marca que você tem nas costas. Não é adorável?

a protegida do reiOnde as histórias ganham vida. Descobre agora