Capítulo 5 - Verão é a estação daquilo

46 0 0
                                                  

Seiji soltou um longo e pesado suspiro, como se estivesse morrendo.

— Que demora... — ele disse com a voz arrastada. Sem tentar ser discreto, ele virou a cabeça para os dois lados da linha. — Ei, Yuuto. Tem certeza de que essa é a fila certa? Não é longa demais?

Yuuto cobriu a boca, mas não conseguiu esconder o sorriso de desdenho. Ele olhou para o namorado com pena. Eu amo esse homem... mas ele não tem ideia do que se meteu quando concordou em fazer cosplay comigo, pensou o cosplayer.

— Se você já está reclamando, imagina quando ver a fila dos visitantes — disse, dando tapinhas no braço do artista.

— Tá dizendo que é maior que nossa? Sem chance. Não acredito nisso...

— Seiji, pode me fazer um favor? — disse a irmã de Yuuto, Yuuka, sentada na cadeira portátil.

— Que foi?

— Cala a boca, pelo amor — disse em voz baixa e irritada.

Seiji se moveu o bastante para ficar atrás de Yuuto.

— Nunca vi a Yuuka-nee tão brava — sussurrou ele no ouvido do namorado. — Aconteceu algo?

O professor soltou uma risada fraca. Ele cobriu a boca.

— Ela está irritada porque uma certa autora se recusou a deixar ela fazer uma adaptação em mangá da light novel dela porque não queria uma "desenhista de pornô" envolvida — sussurrou.

Mas Yuuka ouviu.

— Pois é, que vadia. Ela rejeitou meu trabalho como se fosse alguma deusa só porque eu desenho doujinshi erótico. "Meu livro é uma obra de arte. Como posso deixar uma desenhista pornô fazer a adaptação em mangá? Meus colegas iriam rir de mim." — Yuuka descontou sua raiva, tendo dificuldade para respirar. — Ela não perde por esperar. Farei tantos doujinshis dela e como os personagens fazem NTR com ela. Mas vai ficar tudo dentro da lei, para que ela não me processe.

Ela soltou uma risada malvada e continuou murmurando coisas que Yuuto não quis ouvir.

— Beleza, mana. Pode fazer. Eu te ajudo.

— Obrigada, future cunhado. Aprecio sua ajuda — disse ela erguendo os braços para que Seiji pudesse fazer high-five com ela.

— Seiji, não encoraje esse comportamento. Mana, deixa pra lá. Aquela autora pode até ter te rejeitado, mas sei que seu mangá será aprovado pelo editor.

As palavras de Yuuto fizeram as bochechas dela ficaram um pouco vermelhas. A mulher se acalmou um pouco com aquilo.

Seiji sorriu e envolveu Yuuto em seus braços. Então ele encarou o fim da fila de novo.

— Bom, de todo jeito, essa fila é muito longa...

Apesar de pegarem o primeiro trem e chegarem lá cedo, eles ainda estavam longe da entrada.

— Fica quieto, Seiji — disse Yuuka de novo, revirando os olhos. — Se for ficar reclamando o tempo todo, não vai durar até o final do dia.

— Você está exagerando, mana — disse Seiji, sorrindo.

Ela soltou uma risada seca e alta.

— É você quem subestima o comiket. Mas é o esperado. É um virgem. Virgem de comiket. Então, sendo um virgem, fica quieto e espere. Seu virgem.

A menção da palavra virgem várias vezes fez as pessoas em volta deles ficarem coradas e olharem para o grupo. Mas nem Yuuka ou Seiji pareceram notar.

Por favor me chame de Professor!!Onde as histórias ganham vida. Descobre agora