AMOR, ETERNO RETORNO

22 0 1

Esta carta, Fernando, é uma última tentativa. E por pouco nem a última seria. Confesso que quase atirei a caneta pela janela, contra esse entardecer de Paris que aprendi a amar ao seu lado e hoje só me faz lembrar você. Se eu jogasse a caneta com bastante força, talvez fosse parar no fundo do Sena, tornando impossível, ao menos pelo momento, a dura tarefa de escrever estas palavras.

Por que tudo entre nós precisa ser tão difícil, meu amor? Não vê que quando eu estou ao seu lado você é capaz de conquistar o mundo? Não é o que tem acontecido recentemente, pelo que tenho ouvido. Mas pode voltar a ser assim, Fernando. Só depende de você.

É claro que não defenestrei a caneta. Não poderia fazer isso com um presente seu. Está vendo como eu presto atenção no que você diz? Aprendi com você o significado da palavra defenestrar. Eu bem que pensava que era outra coisa... Você sabe o quê.

A caneta é aquela Fontaine Noblesse toda em ouro e platina, foi com ela que você assinou o seu primeiro contrato com o governo, lembra? Como festejamos nessa noite! Já fomos muito felizes. Por isso jamais eu poderia me desfazer dessa caneta, é como uma parte de você que ainda trago junto de mim.

Acho melhor refrescar a sua memória, antes que você venha querer me acusar de ter roubado a caneta junto com as preciosas joias de sua mãe. Essa caneta você me deu, é minha. Lembra de quando um de seus amigos do governo lhe presenteou com a Fontaine Royale em platina cravejada de diamantes que vocês usaram para assinar o seu enésimo contrato? Então, a caneta velha você deu para mim, depois que deixei você me defenestrar por trás pela primeira vez. Lembra disso, seu taradinho? Ainda sinto meu corpo em brasa quando penso nesse dia. Bons tempos...

Achei de uma infantilidade terrível você ter mandado cancelar todos os meus cartões de crédito. Você está sendo cruel. E infantil, pois está sendo cruel de um jeito que só as crianças são capazes. Como espera que eu sobreviva sozinha em plena primavera de Paris, sem recursos nem amigos? Você não é assim, Fernando. Ninguém no mundo melhor que eu pode dizer que você tem muitos defeitos, mas entre eles não está a mesquinhez. Você sempre foi um homem muito generoso. Foi o que primeiro me fez apaixonar por você. Agora pense em como essa atitude sua pode trazer repercussões negativas para você mesmo. As pessoas comentam, sabia? A esposa de Fernando Albucassis Figueiroa precisando depender da caridade de estranhos numa terra estranha... Deus permita que esse dia nunca chegue!

Até porque foi Deus que nos uniu no sagrado e indissolúvel sacramento do matrimônio, uma vez que estou refrescando sua memória é sempre bom lembrar isso. O maior sonho de minha vida sempre foi casar na igreja, de véu e grinalda, e você foi o homem que me proporcionou essa felicidade, Fernando. Sou sua esposa diante de Deus e dos homens. Até que a morte nos separe.

Sei que também errei com você, e não foi pouco, mas foi sempre tentando acertar. Tudo o que fiz foi por amar você demais. Nem eu mesma entendo esse amor, é como se eu amasse você mais até do que a mim mesma. Daria minha vida por você sem pensar. Foi por isso que precisei fugir.

Eu não estava mais suportando as nossas brigas. Tantas agressões e xingamentos, palavras que eu jamais esperaria ouvir saindo de sua boca, Fernando, tudo isso estava me magoando muito, me ferindo lá no fundo. Você ainda teve seus dois enfartes, sua pressão alta. Eu não, estava ficando doente é na alma. O seu ciúme estava me matando aos poucos.

Quantas vezes vou precisar repetir, meu amor, que o que aconteceu com seu irmão foi um mero acidente? Só aconteceu porque nós dois estávamos bêbados e nos encontramos por coincidência na casa de barcos. Simplesmente escolhemos o mesmo lugar para nos esconder durante aquela festa interminável que você deu para a Jacob-White. Eu sei que significava muito para você e tudo, meu bem, mas concorde comigo que essa foi uma das festas mais chatas de todos os tempos. Se você precisa culpar alguém, só pode ser o gerente da Jacob-White, com suas duas horas de discurso em inglês ainda por cima. Para ajudar o tempo a passar comecei a beber, e quando finalmente consegui escapar para a casa de barcos, já havia bebido tanto que pensei que o Rodolfo fosse você, meu amor, eu juro! Não sei o que ele pensou, até porque nunca tocamos no assunto. Das outras vezes que aconteceu foi como uma espécie de hábito que foi criado, algo totalmente sem significado. Nunca teve a menor importância nem para mim nem para o seu irmão. Não precisa ter importância para você também, Fernando, é só você decidir que sim.

LABIRINTO CIRCULARRead this story for FREE!