Capítulo II

157 10 2
                                                  

Eu não lembrava de quase nada daquela noite, mas o garoto misterioso ainda estava na minha mente.

Mara me trouxe um café bem forte, porque a ressaca estava brava, minha cabeça estava explodindo, meus óculos não estavam ajudando muito, já que minha visão estava toda embaçada, fazia um bom tempo que eu não tomava um porre desses.

- Como foi a conversa com o ruivo misterioso ? - Mara disse curiosa - Ele pediu seu número? Quando vão se encontrar de novo? Não vi vocês se beijando.

- Vai com calma na sua entrevista ai- disse tomando um gole do meu café - A conversa foi ótima, ele me passou seu contato, foi ele quem pediu! Não sei quando será nosso próximo encontro, ainda nem mandei mensagem pra ele. E nós não nos beijamos.

Mara fez uma cara de quem não gostou.

- Que decepcionante, eu teria o beijado no momento que ele tivesse dito a primeira palavra.

- Ainda bem que eu não fiz isso, não costumo assustar os caras que eu estou a fim - eu disse, tirando onda com ela.

- Porque você ainda não mandou menagem pra ele ? - me disse, dando um peteleco no meu nariz.

- Bom, você melhor que ninguém, sabe que não é bom mandar menagem em efeito do álcool para alguém - realmente ela sabia, Amara era a rainha das mensagens constrangedoras, enviadas quando ela estava bêbada, já mandou mensagem até para o porteiro do prédio onde ela trabalhava, por engano, era uma mensagem um tanto constrangedora, foi uma situação muito bizarra - Então depois que ele me deu seu numero, até desliguei o celular, pra não fazer besteira, mas agora eu bem sóbria, me passa o celular ai! - disse pra ela, apontando meu aparelho, em cima da comoda.

Liguei meu celular, e tinha três chamada perdidas do meu irmão, e uma mensagem.

Guto:"O cabeçuda, pq não atende o celular?
Não importa! Conversei com a Karen, e VC não precisa mais ficar me consolando, ela quem vai me consolar de novo, vou até leva-la para um jantar. Vou chamar de "jantar da reconciliação". Tchau, e de notícias."

Ele voltou com a Karen, graças a Deus. Guto é o melhor irmão do mundo, mesmo sendo a pessoa mais dramática da galáxia, sempre me ajuda do jeito que pode, e eu sou muito grata. Eu sabia que não ia demorar para eles voltarem.

- O Guto e a Karen, se acertaram, de novo - Comentei com Mara - Menos um problema pra me atazanar.

- Amém! - Gritou minha amiga, lá da cozinha.

Enviei uma mensagem para meu irmão, parabenizando pela quarta reconciliação, e fui para o perfil do Vitor no Whatsapp. Na foto em seu perfil, estava o homem que o acompanhou no bar ontem e ele, ambos sem camisa, Vítor passando seu braço direito pela costa até chegar no ombro do desconhecido, no fundo estava o mar, era uma bela foto, e o Vítor sem camisa é um pedaço de mal caminho, o que é aquele homem?!

Maria:" Oi, aqui é a Maria do barzinho, se lembra do mim ?"

Pronto, mensagem enviada com sucesso.

Cinco minutos depois fui tomar banho, aflita, querendo que ele respondesse rápido, passei o banho todo pensando nele junto comigo. Sai, fui trocar de roupa, peguei meu short e camiseta que deixei aqui na casa da Mara ontem, comi um pão com manteiga com um suco e sai para pegar o ônibus para o centro, precisava resolver uns assuntos sem importância no Banco, o ônibus chegou três minutos depois. Meu pai ligou querendo saber da minha mãe.

- O pai, porque você não liga pra ela hein?! - Eu disse disse em tom de confusão, porque era o que eu realmente estava, pelo porre de ontem, e pelo fato de por que diabos ele não ligar para ela?!

O amor em seus olhos Onde as histórias ganham vida. Descobre agora