Capítulo 7 - Fael da Tribo da Floresta

17 3 0

Então essa foi a vida e morte de Fael, membro da Tribo da Floresta, pensou a espada após o jovem respirar pela última vez e a vida deixar seus olhos no instante seguinte.

Depois disso, ele e os anciões foram tachados como traidores...

Fael escolheu se sacrificar para que o resto de seu povo não morresse lutando a batalha dos outros... Mas ele jamais imaginou que o Reino mandaria tantos para lidar com os "traidores" que permitiram a passagem do inimigo para suas terras. Especialmente após lidarem com todo o exército dos Habitantes da Areia.

Mas, no fim, ao menos sua morte não foi em vão. O sacrifício de Fael e dos demais impediu que a tragédia de dez anos atrás se repetisse...

Ou o Reino destruirá os que restaram depois?

Mas, não importa o quanto pensasse, Tetsuko não chegava em uma conclusão.

Sou só uma espada, no fim das contas. Só posso ser empunhada. Não posso mudar o destino de nada... muito menos o meu próprio... Seja matar ou proteger, depende de quem me empunhar.

Mesmo após morrer, Fael não soltou a espada.

Aquilo fez Tetsuko sorrir em sua cabeça.

Morrer segurando sua arma... isso sim é um verdadeiro guerreiro. Alguém digno de empunhar uma espada como eu.

Ela queria fechar os olhos dele, mas, sem mãos, não havia nada que pudesse fazer além de rezar pela alma dele.

Descanse, Fael da Tribo da Floresta. Descanse em paz sabendo que sua história não será esquecida.

Após terminar sua prece, Tetsuko olhou em volta.

Não parecia haver sinal de vida no campo de batalha além dos corvos circulando nos céus.

Acho que precisarei esperar até que os ratos apareçam... Imagino também se existem catadores neste mundo...?

Tetsuko amaldiçoou a falta de controle sobre si mesma e quis saber quanto tempo teria que esperar até que seu próximo usuário aparecesse.

Ela fechou os olhos que não possuía e aguardou...

***

— Isso foi brutal... — disse alguém, despertando a espada.

Até daquela distância, Tetsuko sentiu o choque na voz do garoto.

— E isso por que o Reino pôde mandar o exército depois de lidar com os Habitantes da Areia. Se tivesse, teria sido um massacre total — respondeu outra voz.

Três pessoas caminhavam pelo campo de batalha.

Uma arrastavam um carrinho de madeira caindo aos pedaços enquanto os outros se inclinavam sobre os corpos e carregavam qualquer coisa útil.

Tetsuko podia ver espadas, lanças, armaduras, capacetes, botas, vestimentas de couros. Eles pegavam tudo e colocavam no carrinho, estivesse inteiro ou quebrado.

Por um instante, eles pararam. A mais alta se inclinou por sobre um corpo e gemeu enquanto tentava virar o cadáver para o lado.

— Podem parar de ficar olhando feito bestas e me ajudar com essa droga? — retrucou ela e os outros logo foram ajudá-la.

Então tem catadores por aqui também, pensou Tetsuko, sorrindo.

Por algum motivo, aquela ideia era reconfortante.

Após conseguirem girar o cadáver, retiraram a armadura e qualquer outro pertence de valor.

Então se moveram para o corpo seguinte, aproximando-se cada vez mais de Tetsuko.

Re;BladeLeia esta história GRATUITAMENTE!