CAPÍTULO VI

691 24 17


-Vamos lá? – Perguntou João Pedro, após sair do banheiro do seu apartamento.

-Vamos – Respondeu Renan, esperando do lado de fora no corredor.

Era quase três e meia da tarde e os dois garotos estavam prontos para ir até a casa de Samuel Bianchi. Ambos estavam muito ansiosos para encontrar o rapaz e começar a realizar seus maiores desejos com ele. Ainda parecia surreal que aquilo estava acontecendo. Era como se a conversa do dia anterior tivesse sido um sonho e que eles nunca teriam a chance de ficar com alguém como Samuel.

Mas aquilo era tudo realidade. Na manhã daquele dia, foi uma tortura para João e Renan esperarem o fim das aulas na escola. Embora estudassem em colégios diferentes, tanto um quanto o outro não pensou em mais nada a não ser o encontro que teriam de tarde com Samuel. A imaginação deles lhes rendeu várias ereções em momentos inoportunos...

João Pedro estava usando uma camisa branca, uma bermuda jeans, e um chinelo verde. Renan tinha escolhido uma camisa vermelha, um short preto e também usava um par de chinelos. Os dois amigos caminharam juntos para a porta de entrada do apartamento de João.

-Você tá nervoso? – João perguntou a Renan.

-Não, tô de boa. Só ansioso. Espero que seja bom.

-Claro que vai ser bom. Não tem como ser ruim com um cara desses.

-Eu só fiquei pensando nisso hoje... Não via a hora do tempo passar quando eu tava na escola.

-Cara, eu também. Tipo... Não tem como pensar em matemática sabendo do que nos esperava a tarde.

-Exato.

Eles saíram do apartamento e começaram a descer as escadas.

-Você se preparou para hoje? – Renan perguntou.

-Como assim?

-Tipo... Ontem à noite eu me depilei. Não totalmente, mas sei lá... Achei que impressionaria mais o Samuel. Fora que o meu parece maior agora.

-Eu não pensei nisso. Não fiz nada não. Mas acho que ele nem vai ligar pra isso.

-Espero. Aliás, você viu ele hoje na escola?

-Vi de longe no intervalo. Tava com um grupo de amigos e a namorada.

-Ele te viu?

-Não. Eu fiquei muito longe.

Quando chegaram ao térreo, encontraram a porta do apartamento aberto por um morador. Eles a atravessaram rapidamente e seguiram para o portão da frente, onde João destrancou com suas chaves. O dia estava meio nublado e não havia ninguém na calçada quando eles se dirigiram para a casa ao lado.

Os dois garotos pararam bem frente ao portão de Samuel e Renan tocou a campainha. Não demorou nem dez segundos e Samuel surgiu, usando uma regata preta, uma calça jeans escura e chinelos brancos nos pés, caminhando em direção ao portão para abri-lo. Ele parecia bem sério naquele momento.

-Eai – Ele cumprimentou os dois garotos, tirou uma chave do bolso e abriu o portão – Entrem.

Nervosos, João e Renan seguiram na frente até a porta de entrada da casa de Samuel. O rapaz só falou novamente com eles quando já estavam do lado de dentro e com a porta da sala trancada.

-Eu estava esperando vocês – Samuel dissera, cruzando os braços e encarando os dois garotos – Hoje realmente é um dia bom. Nós temos muito tempo.

-Que bom – João Pedro respondeu – Nós não queremos te incomodar muito então...

-Não, tudo bem, relaxem – Samuel sorriu – Não precisa ter pressa. Se quiserem se sentar um pouco...

Contos (Gays) Na AdolescênciaRead this story for FREE!