CAPÍTULO V

660 20 22


No vídeo, dois jovens extremamente atraentes estavam deitados numa cama de casal, se beijando e se esfregando de uma maneira muito sensual. Um deles começou a beijar os mamilos do outro, e foi descendo seus lábios rosados por aquele peito lisinho até chegar a um pênis latejante e avermelhado. Então começou a chupá-lo com a maior vontade do mundo, demonstrando uma ótima habilidade com a língua, sempre olhando para cima, para ver a expressão no rosto do parceiro.

Ruan Dias estava com os pés apoiados na mesa do computador, com a bermuda jeans aberta e com a mão direita fechada no seu pau. Ele já estava há mais de dez minutos se masturbando enquanto assistia aquele vídeo na tela do seu PC, mas por mais que tentasse, não conseguia tirar a imagem de Felipe da cabeça. Todas as vezes em que assistia pornô, Ruan gostava de imaginar que ele e Felipe eram os atores da cena.

O vídeo não tinha chegado nem na metade quando Ruan gozou, sujando os dedos de sua mão direita. Ele limpou-os com um pedaço de papel higiênico e fechou a tela do site pornográfico, sentindo-se mais relaxado após o orgasmo. Aquela era uma tarde nublada e ele estava sozinho em seu quarto, perguntando-se o que faria a seguir. Já estava cansado de se masturbar assistindo pornografia na internet. Ele queria sexo de verdade e de preferência que fosse com seu melhor amigo Felipe Barbosa.

Mas Felipe estava saindo com uma garota boba chamada Mariana e não tinha mais tempo para ele. Apesar de já terem se passado várias semanas, a frustração de Ruan não diminuiu. Ele ainda se sentia extremamente incomodado com o relacionamento de Felipe e Mari. Ruan mal tinha falado com o amigo nos últimos tempos.

Era muito difícil não pensar em Felipe. O amigo fazia muita falta na vida de Ruan e agora ele precisava lidar com a ausência dele. Felipe não ia mais para a casa de Ruan tantas vezes como antes e eles não voltavam mais da escola juntos. Ruan se sentia bem triste com isso, mas duvidava que Felipe se sentisse da mesma forma. Agora ele estava ocupado demais com aquela garota.

Toda essa situação só tinha feito com que Ruan Dias fosse dominado pela raiva. E ele não fazia questão nenhuma de esconder isso de Felipe. Na escola, Ruan andava tratamento Felipe com bastante desprezo e sarcasmo, sem nenhum arrependimento disso. O resultado foi que os dois estavam cada vez mais distantes.

Cansado de ficar no quarto, Ruan foi até a sala assistir um pouco de televisão. Ele sentou-se no sofá, todo largado e ficou sapeando os canais à procura de algo que lhe interessasse. Acabou encontrando um filme que gostava muito, e que já tinha visto milhares de vezes, mas não prestou muita atenção. Sua mente estava ocupada com outras coisas.

Alguns minutos mais tarde o interfone do apartamento tocou e Ruan levantou-se para atender. Para a sua total surpresa, era Felipe que tinha chegado.

-O quê você quer? – Perguntou Ruan, secamente, com o aparelho do interfone no ouvido. Não pretendia deixar Felipe subir.

-Preciso conversar com você. Eu acho que tem alguma coisa errada acontecendo entre a gente.

-Você acha?

-Sim, eu quero saber o porquê de você estar agindo desse jeito. O que é que tá te incomodando. E já que você não me espera mais para ir embora, eu decidi vir aqui.

-Você volta pra casa com a Mari agora esqueceu?

-Não é todo dia... E você também não respondeu as mensagens que eu mandei ultimamente.

-Eu nem vi – Mentiu Ruan.

-Será que dá pra gente conversar? Eu conheço você. Tá com raiva de alguma coisa e não quer me dizer.

-É melhor a gente conversar outro dia. Eu não estou me sentindo muito bem. Melhor você não subir. Amanhã a gente se fala na escola.

-Ah, para com isso Ruan. Tu vai mesmo me dispensar?

Contos (Gays) Na AdolescênciaRead this story for FREE!