PRÓLOGO

255 32 12

– Prestem atenção, eu não pretendo repetir o que eu disser aqui hoje – mestre Ilion, que usava um manto verde que cobria todo seu corpo, sempre parecia indisposto com as crianças, mas hoje, particularmente, a situação parecia um pouco pior, sua ir...

Ops! Esta imagem não segue as nossas directrizes de conteúdo. Para continuares a publicar, por favor, remova-a ou carrega uma imagem diferente.

– Prestem atenção, eu não pretendo repetir o que eu disser aqui hoje – mestre Ilion, que usava um manto verde que cobria todo seu corpo, sempre parecia indisposto com as crianças, mas hoje, particularmente, a situação parecia um pouco pior, sua irritação e tom de voz ríspido chamara a atenção de todos que conversavam.

– Munri, fique quieta – Kiera era geralmente muito paciente com sua melhor amiga, mas ela não queria arriscar mais um castigo e Munri parecia mais disposta em chamar a atenção do jovem Yrinu do que ouvir o Mestre Ilion.

– Todo jovem, precisa conhecer sua história e de todos os que estão ao nosso redor. – Continuou Mestre Ilion, sua voz soando forte pela sala, aonde diversos jovens estavam sentados em bancos de madeira, as paredes de pedra úmidas e cinzas davam um ar sombrio ao local, que já não era muito feliz.

"A muitos sols atrás, o reino de Humgoo era unido e pacífico, existiam apenas duas criaturas dentro desse reino, os magos e os humanos, esses viviam em vasto número na terra e em plena harmonia um com o outro.

Foi dito que duas irmãs humanas, cansadas de conviver com a magia dos magos e feiticeiras e se sentirem inferiores e impotentes, pediram aos anjos e demônios, seres de imenso poder que vivem nos planos acima e abaixo de nós, bem distante do alcance dos humanos, por poder e força para derrota-los.

O anjo Hendriel e o Demônio Balaha, que eram curiosos e de grande poder, desafiando as leis que proibiam a sua aproximação com os seres terrenos, decidiram ouvir a suplica das duas irmãs e concederam para elas os seus desejos, porém, não da forma que elas pediram, as irmãs humanas não teriam grandes poderes além de uma vida mais longa e saúde, mas apenas isso. Já para os seus filhos e toda sua descendência seria dado poderes especiais.

A primeira irmã, sendo tocada pelo anjo, ficou grávida e de seu vente, nasceu uma criança com aparência humana e poderes celestiais, para ele e todos os seus descendentes, fora dado o nome de Hendris, parte anjos, parte humanos, seriam mais poderosos do que cem humanos juntos, sua magia celestial e beleza seria invejada por todo o reino.

A segunda irmã, tocada pelo demônio Balaha, também ficou grávida, seu filho ganhou o poder do submundo, seria parte humano e parte demônio, ele e sua descendência ficaram conhecidos como Baalihans, seres de também grande beleza e sedução, quase tão fortes quanto os Hendris.

As duas irmãs criaram seus filhos para odiar toda raça humana e de magos, usando as mulheres humanas apenas para procriarem e crescerem em números e foi o que fizeram, com extrema fertilidade, os dois Hendris e Baalihan originais, conseguiam engravidar mulheres humanas em uma única noite e com elas continuar as suas linhagens de aberrações, depois de mais de quatrocentos sols passados, os descendentes das duas irmãs cresciam no reino, elas se regozijavam, devido à dávida da longa vida, elas ainda andavam na terra e iriam finalmente deter todo o poder e derrotar os que consideravam seus inimigos.

Os humanos e magos, que sempre conviveram bem entre si, aceitaram as novas criaturas com prazer, sem desconfiar do que o futuro aguardava para eles e cegos pela beleza e poder das novas que eles tinham.

A Ilha dos elementos (DEGUSTAÇÃO)Leia esta história GRATUITAMENTE!