Nosferatu - VII

18 5 0

Graz

1º de janeiro de 1881

Diário de Kat

Percebi que abandonei minhas anotações por mais de um mês. Perdi a vontade de escrever, mas vejo que é necessário, já que talvez, em um dia que eu volte a achar essencial anotar minha vida em papel, as coisas já tenham mudado drasticamente.

No dia 30 de novembro, tivemos um baile em Schönbrunn que levou todas as famílias nobres da cidade ao schloss e Pierre, Ellie e Sophie, naturalmente foram convidados. Eu resolvi entrar como penetra apenas por segurança.

Ellie e eu tínhamos passado os últimos dias discutindo sobre Anika. No momento em que eu coloquei os olhos na garotinha, dama de companhia da arquiduquesa, eu sabia o que estava vendo. Anika é descendente de Deyah. Vinda da filha que ela teve anos antes de se transformar. A mesma descendente que Deyah pediu para que eu transformasse e pusesse no meu grupo antes de morrer.

Como bruxa - e mais importante: uma bruxa católica - Anika não precisava de muito treinamento para entender que estava lidando com um demônio em Schönbrunn. E foi isso que ela disse para Valerie e isso que fez com que a arquiduquesa se afastasse de Pierre. Anika fez exatamente o que eu esperava. E aquela era a noite de fazer o que esperavam de mim.

No meio da noite, pedi que Ellie levasse Anika para o jardim de alguma forma e deixando Sophie em uma dança, segui as duas. No meio do caminho me vi sendo seguida por Pierre.

- O que você quer, Pierre?

- O que você vai fazer?

- Transformar alguém.

Ele ficou em silêncio por alguns minutos.

- Então seu sangue está mesmo curado?

- Claro que sim, porque não estaria? Eu fiz o sacrifício.

Ele não respondeu. Seguimos até o jardim e encontramos Ellie e Anika sentadas em um banco em uma conversa doce.

- Oi, Anika. – Eu disse sorrindo, como se já a conhecesse há muito tempo.

Anika ergueu os olhos em um misto de medo e compreensão.

- Você vai me transformar em vampira.

- Exatamente.

- E não há nada que eu possa fazer sobre isso?

- É isso mesmo.

- E por que?

- Porque eu prometi para alguém que transformaria você e porque eu preciso de provas de que consegui algo que venho buscando há muito tempo.

Anika balançou a cabeça. Pierre surgiu das sombras atrás de mim. Anika levantou 2 dedos por segurança. Pierre grunhiu.

- A quem você prometeu que transformaria isso?

Não me virei para ver sua face de dor.

- À antepassada dela. Deyah.

- DEYAH? Você vai transformar o filhote de Deyah?

- Qual a razão da revolta, Pierre? O que o faz pensar que pode opinar sobre minhas promessas? – Finalmente me virei para Pierre - Ah certo, foi você quem matou Deyah. Você queria garantir que os planos da Morte fossem frustrados.

O rosto de Pierre se contorceu, mas não de dor, de raiva. Ele via seu disfarce sendo destruído bem ali, e isso acabou com todo controle sobre seus demônios internos.

- EU SOU UM DEMÔNIO! O QUE VOCÊ QUERIA?! QUE EU COMPACTUASSE COM A MORTE?!

- QUE VOCÊ FOSSE FIEL A MIM! FUI EU QUEM GARANTI QUE VOCÊ VIVESSE PELOS ÚLTIMOS 16 ANOS.

- EU NÃO DEVO SATISFAÇÕES A SERES INFERIORES!

Nós dois gritávamos a plenos pulmões, mas os sons da festa faziam os sons parecerem sussurros.

- SERES INFERIORES? SERES INFERIORES?!! VOCÊ É PATÉTICO. – Ele começava a titubear, então respirei fundo: – Mas não importa. Porque os planos frustrados foram os seus! Eu fiz o sacrifício! Eu estou livre da maldição! E esse grupo agora tem uma aliança com a Morte!

Pierre – ao contrário de tudo que eu imaginava – sorriu. Eu o ignorei e entreguei sangue a Anika. Ao invés de engolir, ela começou a gritar, como se seus lábios tivessem tocado o ácido mais corrosivo de todos. Pierre então deu uma gargalhada cruel, o que fez eu me virar, enquanto Ellie simplesmente dava seu próprio sangue a Anika e a matava.

- Você enfureceu a Morte, Katerina. Não selou aliança nenhuma. Preste atenção, você sabe o que significa um sacrifício: algo valioso é dado em troca de outra coisa valiosa. Você perde algo. Você se sentiu bem com a morte da sua mãe e não é assim que alguém que sacrifica tem que se sentir. Para ser perdoada pela Morte você tem que sacrificar a pessoa da qual você sentiria mais falta.

Eu me virei para Ellie. Ela estava inclinada sobre o corpo de Anika, esperando. Ao ver meu olhar, Pierre riu outra vez.

- Ellie é a sua arma secreta afinal. – Sussurrou bobamente, alto o suficiente para que a própria Ellie ouvisse.

Então se virou para o castelo e sumiu nas sombras. Não é visto desde então.

As Crônicas de Kat - A História CompletaWhere stories live. Discover now