Por Favor 2! 3 - Era isso que queria?

26 2 0
                                                  

— Yuuto... — Seiji olhou para o namorado com uma expressão estranha. Então fechou os olhos. Quando os abriu, ele sorriu. — Entendo. Se é o que te faz feliz, então eu estou feliz também.

— Não diga nada... — O professor corou e virou a cabeça. Ele não conseguia encarar Seiji nos olhos, não quando o homem que amava o olhava daquele jeito. — Apenas... não diga nada, tá bom?

— Não precisa ter vergonha. — A expressão do artista mudou para algo mais próximo de pena. — Eu já sabia que meu namorado gosta de se vestir como uma garota além dos cosplays, embora ele negue. Apenas nunca pensei que você escolheria um... biquíni tão chamativo, só isso.

Yuuto pressionou os lábios para segurar sua resposta imediata, seu rosto com um tom alarmante de vermelho. Eu sabia que não deveria ter colocado isso, o professor pensou. No momento em que viu o biquíni de bolinhas verdes, cheio de babados para enganar a falta de algo na parte superior e esconder o extra lá embaixo, dentro de sua mala, ele sabia que o namorado tiraria uma com a cara dele.

Mas aquela cara de pena junto ao sorriso compreensivo era demais pra ele.

— Cale a boca! — gritou Yuuto. Ele cobriu a parte superior do biquíni com os braços e deu meia volta. — Você sabe que não fui eu! Foi minha irmã quem pegou minha roupa de banho e colocou isso no lugar quando pedi pra ela me ajudar com a mala!

Seiji suspirou e colocou a mão na bolsa perto de si, ainda com o sorriso de pena.

— Você não tá um pouco velho demais pra culpar sua irmã? — perguntou com uma voz condescendente que conseguiu deixar Yuuto ainda mais irado.

— Você sabe que não foi isso! Ela realmente fez... espera, por que está pegando seu celular? Não tire fotos!

Yuuto correu até o namorado no momento que viu o celular. Ele acenou os braços para arruinar a foto enquanto tentava pegar o aparelho das mãos de Seiji.

Mas o pintor foi mais rápido. Ele tirou algumas fotos antes de erguer os braços, colocando o celular longe do alcance do professor.

O cosplayer não desistiu. Ele se inclinou contra o corpo de Seiji, ficou na ponta dos pés e estendeu o braço o máximo que podia.

Ainda assim, Yuuto não conseguia alcançar o celular. Não importa o quanto tentasse, seus dedos nem tocaram na mão de Seiji.

— Droga! Por que você é tão alto? — ele reclamou, ainda lutando.

Tudo que conseguiu foi arrancar algumas risadas do namorado e um sorriso maior. Era além da conta para o professor, e ele desistiu.

— Tá! Tire todas as malditas fotos que quiser — gritou Yuuto com o rosto ainda mais vermelho.

Seiji riu ainda mais antes de abaixar os braços. O cosplayer tentou se aproveitar da chance, mas o artista se inclinou para beijá-lo antes que pudesse pegar o celular.

Aquele beijo diminuiu a raiva contra a vontade de Yuuto. Ele tentou resistir, mas, quando olhou nos olhos de Seiji, juntou seus lábios outra vez. Foi o bastante para transformar sua vergonha em luxúria. Antes que soubesse, estava com os braços envolvendo o pescoço de Seiji, beijando cada milímetro que seus lábios podiam tocar.

Seiji desfez o laço do biquíni de Yuuto e tirou a parte de cima. Ele empurrou Yuuto no chão, chupando e lambendo o mamilo do professor. Em poucos segundos, eles já estavam duros e sensíveis, mas o jovem não parou de brincar.

Yuuto mordeu seus lábios para impedir um gemido de sair, porém Seiji notou.

Sem parar de beijar o namorado, ele deslizou do peito até o umbigo e então entre as pernas do professor. O pênis já estava duro e não cabia mais dentro do biquíni. Quando Seiji colocou dentro da boca, Yuuto não conseguiu conter mais.

Por favor me chame de Professor!!Onde as histórias ganham vida. Descobre agora