Capítulo 24

937 141 28


Hugo


            Não vou negar que eu passei o resto do dia pensando em tudo que Álvaro me contou

Ops! Esta imagem não segue as nossas directrizes de conteúdo. Para continuares a publicar, por favor, remova-a ou carrega uma imagem diferente.

Não vou negar que eu passei o resto do dia pensando em tudo que Álvaro me contou. Juliana me ligou para saber se Yago havia melhorado e também para dizer que não viria me ver. Notei sua voz embragada e mesmo insistindo ela não me disse o que estava acontecendo, disse que me explicaria depois.

Eu ia ter que esperar para perguntara qualquer coisa para ela. Talvez fosse melhor ela confiar um pouco mais em mim. Nem todo mundo age de forma igual. As vezes demoramos mesmo confiar plenamente em uma pessoa. Ela vai me dizer quando se sentir pronta para isso.

— Marina, pode me dar um remédio para dor de cabeça?

— Claro Hugo. Precisa descansar. Pode deitar-se, Yago já está dormindo. — ela me entrega agua e o comprimido.

— Obrigado.Vou me deitar, fique de olho na febre de Yago, por favor.

— Pode deixar. Você quer...é... — Marina abaixa a cabeça. — uma massagem? — ela levantou seus olhos e o que eu vi foi suplica. Sabia que não devia ter tido aquela conversa com ela.

— Massagem? — Franzi a testa. — não estou entendendo.

— Desculpe-me. É que sei fazer uma massagem relaxante. Seria ótimo para sua dor de cabeça. — sua pele avermelhada quase me faz rir. Me controlo.

— Obrigado Marina! O remédio é suficiente. Qualquer coisa com Yago me chame.

— Sim senhor.

Sai sem olhar para trás. Estava ficando cada dia mais difícil manter Marina por perto. Acho eu vou ter que começar procurar uma nova babá para ficar com Yago. Deito-me com o pensamento em uma loira linda eu apesar de estar me preocupando com uma história de gravidez.

.............................................

— Bom dia!

— Bom dia Heitor!

— Cara suas olheiras estão horríveis. Está tudo bem?

— Era para estar! Mas Álvaro veio com uma conversa ontem e essa tirou meu sono. — disse ao meu amigo. Eu confio em Heitor, e eu preciso desabafar.

— Está tudo bem com seus pais? — ele me estende uma xícara de café.

— Obrigado! Está sim. Estão ótimos graças a deus. É a Juliana.

— Já estão brigando? Eu disse, esse negócio de namoro é um problema.

— Não nada disso cara! E você acha que não está indo pelo mesmo caminho com a sua cabelo vermelho?

Curando FeridasOnde as histórias ganham vida. Descobre agora