Capítulo 26

15 3 0

— Você está erguendo a cabeça demais quando sobe pra respirar, filho — disse o treinador, lendo as anotações dele. — Isso te faz perder preciosos segundos. E lembra de expirar pelo nariz o tempo todo. Não use a boca. Eu vi você fazendo isso algumas vezes.

— Certo, treinador — disse, saindo da piscina. O nadador tirou a água do rosto e assentiu.

Enquanto Nelson caminhava até o bloco de partida, o treinador virou para Cris. O assistente, sentado na beirada com as pernas dentro d'água, assentiu logo e agarrou o cronômetro em volta do pescoço. Com o aparelho em uma mão e o tablet na outra, ele estava pronto para marcar o tempo de todas as voltas.

— Prepara... Vai! — A voz do treinador ecoou pela piscina interna aquecida.

Nelson pulou para frente no momento em que o treinador gritou. Ele sentiu o corpo bater contra a superfície da água e já balançava os braços e pernas, se impulsionando para o outro lado. O nadador perdeu a conta de quantas vezes fizera aquilo naquele dia.

Quando estava alcançando o outro lado, ele preparou-se para dar um giro, inclinando seus joelhos. Com o impulso das pernas, conseguiu ganhar mais velocidade na volta.

Ah, então era disso que o treinador tava falando, percebeu Nelson quando se pegou pronto para respirar. Sempre que erguia a cabeça acima da água, havia um pequeno atraso quando ele voltava porque usava a boca para respirar. É quase um piscar de olhos, mas por causa do arrasto quando respiro, fico um pouco pra trás. Só que se eu tentar isso...

Nelson se forçou a respirar pelo nariz. Não sei se isso vai fazer qualquer diferença... preciso perguntar se fez alguma de tempo pro Cris.

— Ok. Isso é tudo por hoje — anunciou o treinador quando as mãos de Nelson tocaram na parede. — Preciso ir agora. Tenho que encontrar com os sogros e já tô atrasado. Pelo jeito, a gente precisa preparar um quarto pro bebê agora ou não vamos ter mais tempo. Foi mal, não posso ficar e falar dos tempos, mas fiz anotações no que você pode melhorar. Pergunte pro Cris.

O celular do treinador tocou, ele atendeu e logo se foi.

— Bom trabalho — disse Cris, entregando uma toalha para Nelson.

O nadador hesitou em aceitar, olhando para a água enquanto mordia os lábios.

Cris ficou na ponta dos pés, pôs a toalha na cabeça de Nelson e forçou o atleta a olhar para ele.

— Não vou deixar que volte para a água hoje — ele disse, balançando a cabeça enquanto encarava nos olhos de Nelson. — O treinador falou, especificamente, pra não deixá-lo treinar mais hoje. Vai ficar exausto pra amanhã se fizer treinar mais hoje.

— Amanhã... — Nelson pegou a toalha e secou o cabelo, levando seu tempo no rosto para evitar olhar nos olhos de Cris. — O dia finalmente chegou.

— Na verdade, não. É só uma competição municipal, não é "o dia" nem nada parecido — disse Cris com um tom casual, dando de ombros. — Pela lista dos participantes, não tem ninguém que possa ganhar de você.

— É o que todo atleta gosta de ouvir. Vai vencer porque a competição é fraca. — Nelson soltou uma risada seca.

— Essa é, literalmente, a primeira vez que escuto alguém reclamar de ter uma vitória fácil — disse Cris, sorrindo e rolando os olhos de um jeito exagerado. Então ele suspirou e balançou a cabeça. — Nunca vou entender vocês atletas. Vencer já está de bom tamanho pra mim. E uma vitória fácil, então? Melhor ainda. Mas acho que um mero assistente não vai compreender a mente complexa de um nadador profissional.

O nadador e o assistenteRead this story for FREE!