Capítulo 19 - Caira

Começar do início

Andamos por bons minutos, o suficiente para fazer minhas pernas doerem. Saímos da área mais iluminada da floresta e os pelos dos meus braços arrepiaram-se quando nos embrenhamos por um ambiente mais fechado. Com árvores mais escuras e de cascas bem rachadas, as folhas eram secas e os galhos se enrolavam acima de nós, diminuindo a claridade da lua e nos deixando em uma penumbra quase completa. Com a pouca luz tropecei várias vezes nas elevações do chão até que Caira tirou da bolsa uma espécie de lampião. A luz ainda era fraca, mas me deixava um pouco menos paranoica, sem o pensamento de que algo iria saltar sobre mim a qualquer minuto. Christopher passou os braços por meus ombros e não me largou por todo o caminho, a floresta estava em um silêncio mortal, vez ou outra ouvíamos um barulho no meio do mato ou o som de algum animal ao redor. Me perguntava quando encontraríamos a tal cobra quando Caira parou.

- Chegamos? – Julie perguntou baixo, mas ainda assim Caira fez um sinal para que ela ficasse quieta.

Em seguida, a mulher se abaixou e apagou o lampião que trazia nas mãos, o guardou na bolsa e apontou para frente.

- Ali é a gruta – Falou e todos abaixamos como ela, ficando escondidos pelas árvores – A estátua provavelmente estará lá dentro ou mesmo com a própria boitatá. Cabe a vocês conseguir resolver isso.

- Mas o que faremos? Ela está lá dentro? – Giovanna questionou

- Na verdade, deve estar voltando de sua caçada. Quanto ao modo mais fácil de matá-la, só vocês poderão saber. Isso não é passado para mim. – Respondeu evasiva

- Você não sabe nenhuma dica? – Julie insistiu

- Achei que fosse nossa guia, nós realmente podemos ficar em perigo sem sabermos de nada – Benjamin disse

Eu olhava para frente, para a entrada da gruta. Tudo estava escuro até então, mal conseguia avistar o ambiente adiante, no entanto, de repente, uma luz quase imperceptível chamou minha atenção. Era como uma lâmpada bem fraca acesa, rastejando no chão lentamente. Cutuquei Christopher nas costelas, ele ia me olhar quando sua atenção foi capturada pelo mesmo que eu.

- Eu sou seu guia, mas infelizmente não posso ajudar dessa for... – Caira estava sussurrando quando me inclinei e fiz sinal para que se calasse. Ela me encarou com uma interrogação no rosto e apontei para frente.

Todos viram o mesmo que eu.

- Nós estamos perdidos – Julie murmurou ao meu lado após observar boitatá, provavelmente sua extensão não ajudava a diminuir o medo. Além disso, não vou negar, pensei o mesmo que ela.

Boitatá arrastou seu corpo imenso para dentro da gruta, demorou alguns minutos para desaparecer lá dentro e mais alguns para que sua luz apagasse. Meus dedos já tremiam e meu coração acelerou assim como minha mente já se concentrou no pessimismo. Me recordei dos meus outros encontros com seres bem parecidos, assim que cheguei na ilha fui salva por Christopher de uma cobra como ela e no primeiro desafio com o guardião, fui obrigada a enfrentar uma serpente gigante, então por que eu ainda estava com medo? Talvez porque boitatá fosse diferente e mais assustadora, tão grande quanto a serpente que eu enfrentara. Nada parecida com o que eu imaginava.

- Precisamos de um plano – Christopher disse não parecendo abalado com a situação. Era incrível como ele parecia não ter medo de nada.

- Certo – Giovanna disse – Que tal se nos separarmos?

- Separar? Isso é o que não se deve fazer com um grupo – Benjamin rebateu antes que ela terminasse

- Será que você pode apenas me ouvir? – Giovanna aumentou um pouco o tom de voz – Calado? – Ela completou quando ele fez menção de responder

O Mistério de Allíshya - Perdida | Livro 03Leia esta história GRATUITAMENTE!