Capítulo 18 - Guia

961 104 70

Antes do capítulo começar tenho um aviso rápido. Não sei se repararam mas o primeiro livro de OMDA teve o nome mudado, antes era Escolhida e depois de uma votação que aconteceu no grupo do livro foi mudado para Eleita e será o nome oficial. Quem tiver interesse em entrar no grupo deixa o número nas minhas mensagens com o seu DDD, por favor. 

Além disso, só quero dizer que estou amando escrever sobre esse tema do folclore brasileiro e espero que vocês estejam gostando tanto quanto eu de ver um pedacinho da nossa cultura em OMDA. 

O capítulo de hoje é bem mais tranquilo, mas o próximo vem que vem agitado. Beijos! 

~**~

Entrar e sair de portais já estava se tornando algo habitual, era surpreendente como eles queriam mesmo proteger o que quer que fosse que ali estava. O único problema era que nunca sabíamos onde iríamos parar e dessa vez fomos transportados para o fim da floresta. Estávamos nos limites entre as árvores e uma pequena elevação de terra. Benjamin foi o primeiro a subir para ver o que tinha mais a frente.

Julie continuava um pouco desorientada, olhando ao redor de um jeito perdido enquanto Giovanna lhe contava toda a luta que ela não vira por estar desacordada. Christopher ficou ao meu lado como sempre, preocupado depois que percebeu que eu estava ferida. E para ser sincera até eu estava, aquele corte doía muito, mas fiquei surpresa por não estar morta. Aparentemente a adaga não me atingia como fazia com os outros.

- Vocês não vão acreditar – Benjamim exclamou de onde estava

Fechei os olhos por um segundo, implorando que não fosse mais uma luta que eu teria que enfrentar.

- O que é, Ben? – Perguntei hesitante

- Venham ver.

Subi a pequena colina segurando meu quadril e os outros vieram atrás. Lá de cima pude ver o final do gramado baixo e o começo de uma pequena... cidade?

- Por que tem uma cidade aqui dentro? – Minha dama perguntou surpresa

- Particularmente eu estou interessada nos tipos de moradores que ela pode ter. – Murmurei e eles me encararam alarmados, percebendo só ali a gravidade daquilo

- Acredito que teremos que ir em frente e descobrir. Tem algo a ver com a missão senão não nos trariam para cá.

- Giovanna tem razão. – Benjamin concordou, porém enquanto os outros começavam a discutir o que era melhor naquele momento, eu fui a única que percebeu a expressão de surpresa que Giovanna esboçou ao ver que Benjamin tinha dito aquilo. Confesso, até eu estava surpresa.

- Então, o que vai ser? Iremos em frente?

- Não é como se tivéssemos outro caminho, Julie. – Respondi

- E talvez eles possam ajudar com os ferimentos – Christopher completou e foi quando notei que os outros também tinha pequenos machucados, nada muito grave mas que precisavam de cuidados.

- Vamos torcer para que "ajudar" seja a função deles e não o contrário – Falei mais uma vez e eles assentiram

- Será que é aí que está o tal guia que o Saci disse antes?

Dei de ombros para a pergunta de Benjamin.

- Tomara que sim – Respondi

Em seguida tomamos coragem e fomos em frente. Descemos a pequena colina e caminhamos alertas pelo gramado baixo. A grama tinha uma textura áspera, eu podia sentir na minha perna pois havia levantado uma parte da minha calça por causa do calor. Olhei ao redor, era um campo vasto e vazio, apenas gramado. Realmente nossa única alternativa era a cidade. Antes de pisarmos no solo cinzento do lugar, pude perceber algumas partes um pouco mais escuras no chão que pareciam ter sido queimadas.

O Mistério de Allíshya - Perdida | Livro 03Leia esta história GRATUITAMENTE!