Capítulo 17 - Três Pegadas

879 100 77

A visão de Naiá voltando a ser uma vitória-régia persistiu em minha mente por um bom tempo. Eu não conseguia deixar de pensar naquela jovem índia e seu destino trágico. Ao menos era bom saber que ela se tornara parte de algo tão importante. Já havíamos passado pela pequena trilha que levava para dentro da floresta, agora caminhávamos por um espaço mais estreito, rodeado por árvores altas e de troncos retorcidos que pareciam se esticar para dar as mãos entre si. Giovanna ia na frente ao lado de Julie que de repente decidiu ser boazinha – ou estranha – e assumiu um silêncio mortal. Benjamin andava em sequência, olhava atento ao redor e mantinha o arco e a aljava nas costas, prontos para o que pudesse vir até nós. Por último, Christopher e eu caminhávamos lado a lado, ele mantinha a espada em mãos, enquanto eu me permiti guardar minhas armas na cintura. Parece que o último desafio deixou todos nós bem alertas.

Andamos por um bom tempo e não encontramos nada além da floresta. Em certo momento nos deparamos com uma pequena nascente, a água era clara e bem limpa então aproveitamos para saciar a sede e encher nossas garrafas, pois sabíamos que ainda precisávamos fazer muita coisa. Eu estava abaixada, fechando um dos recipientes quando um barulho de galho sendo partido chamou minha atenção.

- O que foi isso?

Os outros, que estavam ao redor descansando, me olharam de modo questionador.

- O que foi o que?

- Você não ouviu? – Perguntei a Giovanna, ela negou com a cabeça

- O que você escutou exatamente? – Benjamin já caminhava em minha direção

- Ouvi um barulho de galho sendo quebrado, parece que alguém pisou – Respondi me erguendo do chão e percebi quando todos começaram a olhar ao redor, para dentro da floresta

- Galho? Será que é algum animal? – Julie questionou

- Eu não sei, mas acho que não devemos ficar para descobrir – Respondi

- Hay tem razão, afinal, nem sabemos que tipo de animais vivem por aqui – Chris concordou comigo e não hesitamos em juntar tudo e continuarmos nosso caminho pelo lado oposto ao de onde viera o barulho.

Enfrentamos mais uma caminhada cansativa até que meus pés começaram a protestar. Nos sentamos ali mesmo, no meio da floresta e decidimos nos preparar para passar o restante da noite. Cuidamos dos pequenos ferimentos que possuíamos depois da luta com Naiá e em seguida fomos organizar o "acampamento".

- Não me lembro de ter ficado tão cansada na última missão como estou agora – Falei para Benjamin que acendia uma fogueira numa parte mais limpa do chão, com o fósforo trazido conosco desde o castelo – E ainda estamos no início dela.

- Preciso concordar, parece que essa missão veio simplesmente para testar a nossa capacidade de resistência – Respondeu com um sorriso que eu devolvi, mas que logo foi sugado do meu rosto quando me lembrei de algo

- E olha que isso ainda não chega nem perto do que eu precisarei enfrentar no final disso tudo – Respondi e ele me olhou por um breve instante, confuso

- Está se referindo ao desafio com Mahlars?

Suspirei com a menção do nome, o medo do desconhecido surgindo mais uma vez. Eu vinha tentando não pensar naquilo desde que soube o meu real propósito nesse mundo, refletir sobre a luta que estava por vir era traumatizante e aterrorizante. Eu tentava ser forte, acreditar que tudo ia ficar bem e que no fim algum milagre me faria ter coragem para lutar, mas não era assim que as coisas funcionavam. Eu já estava com medo, horrorizada, apavorada apenas em pensar! Só consegui assentir para a pergunta de Ben.

- Não precisa se preocupar, Hay. Nós estamos com você e não iremos te abandonar quando chegar essa hora.

Seu comentário era para me alegrar, mas infelizmente me deixou com um gosto amargo na boca ao pensar em meus amigos na mesma situação que a minha.

O Mistério de Allíshya - Perdida | Livro 03Leia esta história GRATUITAMENTE!