O jeito correto de se conquistar uma garota.

820 137 102

 Com a chegada na nova estação, novos sentimentos brotaram, exatamente como aqueles brotos que mais tarde se transformam nas flores coloridas

Ops! Esta imagem não segue as nossas directrizes de conteúdo. Para continuares a publicar, por favor, remova-a ou carrega uma imagem diferente.

Com a chegada na nova estação, novos sentimentos brotaram, exatamente como aqueles brotos que mais tarde se transformam nas flores coloridas.
Ainda assim, continuo o mesmo, apenas um pouco mais confuso do que algum dia já fui.
Havia me acertado com Florence, mas não da forma que esperava, e isso me causava um tremendo desconforto.

— Tudo bem, Vince. Eu te perdôo. — ela disse.

Não.
Eu não havia pedido perdão.
Repentinamente, tudo me pareceu errado. Comecei a questionar se ainda a queria de verdade, ou se apenas insistia naquilo por conta do meu orgulho ferido. Ela havia ficado com o meu primo, mas nunca havia me dado bola.

Não obstante, era a gargalhada dela que eu projetava quando queria me acalmar. Era o cabelo dela, derramado em meu travesseiro, que me fazia suspirar como um pateta. Era ela a garota que carregaria para sempre o título de meu primeiro amor.

— Vai continuar me encarando como idiota ou vai responder minha pergunta? — Noora estava parada a alguns passos de distância, com as mãos na cintura e um olhar penetrante. — Você ouviu o que eu disse?

— Não. — nada melhor do que a sinceridade. — O que você disse?

— Eu disse que eu tenho um manual. — continuo a encarando, transparecendo indiferença. — Um manual que ensina o jeito correto de se conquistar uma garota, e perguntei se gostaria de dar uma olhada.

Mas você é uma garota, Noora, e até onde eu sei, não fica com garotas.

— Era do meu pai, acredita? Ele me deu quando completei 12 anos de idade.

— E por que raios ele lhe deu algo assim? — contorço o rosto. — Eu não daria este tipo de coisa para os meus filhos nunca!

— E por que não? — balançando o corpo para frente e para trás, ela pendula sobre os calcanhares. — Você deveria abrir sua mente, Cents. Os seus filhos adorarão saber o que aprontou durante sua adolescência, e por isso precisa viver tal período intensamente.

— Eu... eu já vivo! — protesto.

— Oh, claro. — o sarcasmo de Noora já não me choca mais. — Eles vão adorar saber os tipos de aventura que conseguiu trancado dentro de um quarto, tendo como companhia apenas aqueles seu all star surrado e fedorento.

— Ele não é fedorento.

— E eu não sou loira. — ela pisca um dos olhos castanhos. — Você quer ou não quer ajuda? Com o manual do meu pai, poderá conquistar o local inabitável que é o coração de Florence.

Homeboy - amigavelmente amigável (livro 1).Where stories live. Discover now