Capítulo 27

245 20 4

MARCOS

Escolher uma aliança estava sendo mais difícil do que eu imaginara. Havia tantos modelos que meus olhos não sabiam qual deles era o mais bonito. Eu buscava aquele anel que faria brilhar meus olhos, que seria amor à primeira vista, queria imaginá-lo nas mãos da minha noiva. Queria que esse momento fosse inesquecível, desde a escolha do anel até o dia do casamento.

Minha mãe parecia uma criança na loja de brinquedos. Ela apontava para um modelo mais delicado que o outro, com pedras incrustadas, com detalhes em prata, até mesmo os tradicionais, de todas as espessuras.

Pensei se teria sido realmente uma boa ideia vir sem a Hellen, que com certeza escolheria a que mais gostara sem piscar. Não era tão indecisa quanto eu. Mas ali estava eu, tentando cumprir uma missão quase impossível.

Caminhei pelos corredores repletos de jóias brilhantes e chamativas. Alguns preços me davam palpitação e sentia uma leve tontura. Foi aí que encontrei, o anel mais lindo que já vi em toda a minha vida. Não que eu entendesse muito de jóias, muito menos de anéis, mas aquele realmente me chamou a atenção. Foi como se já estivesse me vendo na igreja, colocando a aliança no dedo anelar esquerdo da minha esposa.

Chamei a minha mãe, com entusiasmo, e lhe mostrei a minha incrível descoberta. Ela se aproximou, ainda apontando para um e outro anel que vira no caminho, mas ficou de boca aberta quando viu o que eu havia escolhido.

Era uma aliança em ouro rosé, tão lindo que me fez perder o fôlego. Não era o tom tradicional de aliança, mas era perfeito!

Após confirmar pelo menos duas vezes o preço da peça, paguei pelas duas aliança e guardei no bolso, junto ao peito. Era o nosso segredo, meu e da minha mãe, mas ficaria ainda mais feliz quando ele se tornasse público.

HELLEN

Dizem que quando acordamos pela manhã, não podemos sequer imaginar como será o nosso dia. Pode ser o mais triste e difícil de nossas vidas, mas, como um presente enviado dos céus, pode ser o melhor de todos!

Aquela quarta-feira com certeza parecia um dia para categorizar na primeira caixinha, dos dias mais difíceis. Foi um dia escolhido para visitar algumas empresas e participar de entrevistas de emprego.

Na semana anterior, digitei com todo o esmero todas as minhas parcas qualidades como profissional e meu mais recente título de radialista. Eu sempre soube que não seria uma profissão de muito prestígio como a medicina, direito, ou mesmo engenharia. Mas não me via em qualquer outra área que não fosse comunicação. Então deixei para lá todo o pré-conceito da sociedade e mergulhei de corpo e alma no processo de escolher um local de trabalho para passar os próximos anos da minha vida.

Fui um pouco ingênua em pensar que poderia escolher qualquer um, que o mercado estaria de braços abertos, ansioso por me receber em sua grade de funcionários. Pelo contrário, a necessitada ali era eu, a empresa decidia se eu estava apta ou não para ser contratada.

Quando saímos da academia tendemos a alimentar o sonho de que iremos encontrar um emprego rapidamente. Na maior parte da vezes não é isso que acontece.

De todas as empresas e emissoras que visitei, a que mais gostei foi a Rádio New Way, com uma proposta mais jovem para atrair uma nova geração. O ambiente de trabalho me pareceu acolhedor, as pessoas era simpáticas e me receberam bem quando fiz o tour pelas dependências.

Lembrei de quando Deus falou com Josué: "Todo lugar que pisar a planta de vossos pés, eu vo-lo dou, como prometi a Moisés." (Js. 3:3)  Procurei visitar todos os setores e permitir que a planta dos meus pés se encontrassem com o chão que eu gostaria de pisar pelos próximos anos. Enquanto fazia isso, ria sozinha, imaginando o que toda aquela gente pensaria de mim se soubessem em que estava pensando.

Ao final da entrevista, o encarregado falou:

---- Hellen, você tem um currículo que preenche os requisitos que estamos precisando na empresa. Posso adiantar que pelo que conversamos hoje, você está praticamente contratada, mas enviaremos uma mensagem para o seu e-mail ainda hoje, com a resposta definitiva. Nosso chefe chegará de viagem, então levarei esse assunto ao seu gabinete o quanto antes.

Não preciso dizer que fiquei exultante ao ouvir aquelas palavras. Finalmente viveria o meu sonho de uma vida, estaria trabalhando antes que terminasse de dizer a palavra "bênção".

Mas a resposta era para ser dada na terça, no dia anterior, o que não aconteceu. O dia passou, a noite se foi, e meu coração começou a bater loucamente. O que aconteceu? Será que eu não era boa o suficiente para entrar na empresa? Será que eles queriam fazer uma surpresa e contar só no dia seguinte?

Fui dormir "uma pilha de nervos", pensando em mil e uma possibilidades que eu não podia controlar, muito menos compreender. Em minha ansiedade, recorri ao único que poderia saná-la. Não, não era o Marcos. Eu o amava muito, e gostava de compartilhar as minha preocupações com ele, mas naquele momento eu precisava de alguém que me conhecia bem melhor, alguém como meu Senhor.

Minha alma sabia o que ansiava. Ela não esperava menos que um "sim" do encarregado.  Ela precisava confiar mais em Deus, e saber que Ele tinha o melhor preparado.

---- Senhor, meu Deus ---- Comecei, ainda titubeante. ---- Eu quero te agradecer por essa oportunidade que surgiu em minha vida. O Senhor me conhece, e sabe o quanto amei aquela empresa, e como desejo trabalhar ali. Mas só quero estar lá se estiver no teu roteiro, se for da tua vontade. É de coração apertado que, mais uma vez, entrego mais uma decisão da minha vida em tuas mãos. ---- Pausei, engolindo em seco, sabendo que estava fazendo uma promessa que nunca seria quebrada. ---- Meu Pai, eu quero o que Tu queres para mim. E se não me queres ali, eu prefiro seguir os teus planos e aguardar a tua ação.

Foi como se um peso estivesse sendo tirado das minhas costas. Eu só precisava relembrar que Deus estava no controle de tudo, Ele não deixaria que nada fugisse de Seus olhos. Como uma simples serva, um ser humano, barro e pó, eu tinha consciência de que os planos dEle eram bem maiores que os meus. Quem sabe a minha comunhão com ele seria colocada em segundo plano quando as atividades profissionais preenchessem todos os meus dias da semana? Ou mesmo perder a minha fé em um ambiente sobre o qual eu só sabia o que me era permitido ver na visita?

O fato é que me conformei. Uma nova história Deus tem para mim.

Quando meu coração aceitou essa verdade, recebi uma mensagem no celular.

"Srta Hellen,

Gostaríamos de lhe informar que infelizmente o seu nome não foi citado para a seleção de novos empregados da empresa. Sentimos muito, mas agradecemos a sua compreensão.

A assinatura no final era do próprio dono da Rádio New Way, mas deduzi que seu encarregado escrevera. Sinceramente, preferia que tivessem me ligado, seria algo correto da parte deles. Ainda assim, não sei se esconderia tão bem a minha felicidade ao receber a notícia. Para qualquer outra pessoa seria loucura sorrir após um "não" tão desejado. Mas para mim era diferente, Deus ouvira minha oração!"

Não entendia o porquê, mas Deus não precisa de motivos para fazer a sua vontade. E, pessoalmente, eu estava mais interessada em saber que a decisão partira dEle do que as suas motivações.

Querendo ou não, o caminho da minha vida estava sendo traçado, e havia algumas coisas que seriam um empecilho para a realização de um propósito maior. Eram renúncias que precisavam ser feitas, mas a recompensa do Senhor não tardaria, Ele nunca se atrasa, nem se adianta em nada! 

📜 1309 Palavras

Liberdade - Uma história de amor e féLeia esta história GRATUITAMENTE!