Ela se foi

998 66 25

O que vocês acham de dois capítulos por dia?

~Jughead Jones

      Betty era a única pessoa que conseguia me deixar feliz em momentos como esse. Ela é a pessoa que coloca um sorriso no meu rosto todos os dias.
- Eu vou sempre estar ao seu lado, Jug. Tudo o que você for fazer, eu vou sempre estar ao seu lado e te apoiar.- Betty falou seriamente.
Me aproximo de Betty, e a abraço o mais forte que pude. Ela me abraçou com força também.
- O que eu faria sem você?- Questiono ainda abraçando Betty.
Ela da uma risada de leve e continuava me abraçando. Ficamos naquele abraço por alguns segundos, não queria sair nunca mais de lá. Eu me sentia tão bem quando estava com a Betty, não queria sair nunca dos braços dela.
- Quer que eu te leve para casa?- Pergunto afastando Betty.
- Não quero ir para casa agora.- Betty responde dando um sorriso de lado.
- Tem uma praça aqui perto, quer ir lá?
      Betty apenas afirma com a cabeça, depois da um sorriso sem descolar os lábios.
      Fomos até a minha moto, lado a lado. Ela olha para mim arqueando a sobrancelha.
- Uma moto?- Ela da uma leve risada.
- É, tem medo?- Questiono pegando um capacete e estendendo para Betty.
- Nem um pouco.- Ela pega o capacete sorrindo e depois senta atrás de mim na moto.
- Segure-se firme.
      Ela passou as mãos pela minha cintura, e abraçou com força. Conseguia sentir sua respiração quente batendo na minha nuca. Acelerei a moto e fui em direção a praça que tinha perto da escola.
Chegamos na praça, que tinha algumas crianças brincando em alguns brinquedos, como balanços, gangorras e etc.
Eu e Betty fomos em direção a um banco que tinha de frente a um rio, atrás da praça. Nós nos sentamos e ficamos nos olhando por algum tempo.
As duas pernas de Betty estavam por cima das minhas pernas. Meu braço estava em volta dela. Nós estávamos olhando para o rio que estava calmo.
- Então...- Betty começou a falar.- O que vai acontecer depois? Depois que você entrar para os serpentes?- Ela questiona se virando para mim.
- Eu não sei. Vou ganhar uma jaqueta, uma tatuagem.- Falo com uma careta de quem já estava sentindo a dor da agulha furando a sua pele.
- Tatuagem?- Betty da um sorriso.- Não deveria ser para maiores de dezoito anos?
- Deveria.- Respondo.- Mas os serpentes são diferentes, acho que eles não ligam muito para essas regras.
- Entendi.- Betty falou se virando para frente e depois deitando a cabeça no meu ombro.
      Ficamos ali naquela posição, até anoitecer. Depois eu levei Betty até a casa dela e depois fui até a minha casa. Pensando em amanhã, em se tornar um serpente do Sul.

~Elizabeth Cooper

      Depois que Jughead me deixou em casa, eu fui diretamente para o quarto de Polly, mas ela não estava lá, deveria estar andando por aí, conhecendo a cidade junto com a minha mãe e meu pai.
      Escutei o barulho de alguém entrando em casa. Eu desço a escada para ver quem era, era a minha mãe e meu pai. Ela estava chorando e meu pai estava tentando acalma-lá.
- O que houve?- Questiono chegando perto deles.
- Fiz o que era necessário.- Meu pai começou chegando perto de mim.
- O que você fez?- Questiono mais uma vez.
      Meu pai ficou quieto e minha mãe chegou mais perto de mim limpando as lágrimas de seu rosto.
- Ele internou a Polly.- Ela começou.- Ele acha que ela está ficando maluca por causa do ex-namorado.
- Por quanto tempo?- Comecei a ficar desesperada.
- Pelo resto da vida dela.- Meu pai respondeu se afastando e indo em direção ao seu quarto.
      Tentei segurar as lágrimas que estavam presas, mas não consegui. Elas foram escorrendo lentamente pelo meu rosto.
- Ele não pode fazer isso.- Falei me virando para a minha mãe.- Polly é a sua filha, minha irmã, não podemos ficar sem ver ela pelo resto de nossas vidas.
- Já está feito, Betty. Não podemos fazer mais nada.- Ela se aproximou de mim para me abraçar.
Eu abraço ela, ainda chorando.
- Mãe.- Afasto ela para fazer uma pergunta.- Você era uma serpente quando morava aqui?
Ela fica em silêncio e depois olha para mim assustada.
- Como sabe disso?- Ela questiona.
- FP é também.- Começo a falar.- Jughead me contou.
- São namorados?
- Sim, mãe. Mas não é essa a questão.
Minha mãe abre um sorriso de quem estava feliz pela filha estar namorando com alguém.
- Ele vai virar um serpente, para ajudar o FP.- Falo olhando para a minha mãe.
- Eu era uma serpente, FP e eu éramos melhores amigos, nos tornamos serpentes juntos.- Ela fala sorrindo de lado.- Serpentes não são perigosos, talvez algumas coisas que eles fazem possa te incomodar, mas Jughead não é perigoso, FP não é perigoso.
Abro um sorriso sem descolar os lábios.
- Jughead parece ser uma ótima pessoa, ele virar um serpente, não deveria atrapalhar em nada na relação de vocês.- Ela termina colocando a mão em meu rosto.
Eu subi para o meu quarto, e me tranquei lá, por apenas um motivo: eu nunca mais iria ver a minha irmã. Estava acontecendo alguma coisa comigo, eu não sabia o que era, sem a Polly, meu mundo virava de ponta cabeça. Polly era a única pessoa dessa casa com quem eu podia contar tudo, agora eu nunca mais iria ver ela.
Tirei esse tempo que fiquei trancada em meu quarto, para chorar, tudo o que eu estava prendendo durante aquela conversa com a minha mãe. Eu chorava, não conseguia prender alguns soluços também.
Provavelmente a minha mãe estava me escutando do outro lado da porta, ela deveria estar chorando também, Polly era um orgulho tão grande para ela.

Eu sou a única aqui que está amando a Alice dessa fanfic?haha
Espero que tenham gostadoo
Bjinhos

ᴜᴍᴀ ʜɪsᴛᴏʀɪᴀ ᴅᴇ ᴀᴍᴏʀ ➢ ʙᴜɢʜᴇᴀᴅLeia esta história GRATUITAMENTE!