Prologo

100 22 59

Não sei se o mundo é bom, mas ele ficou melhor quando você chegou, e perguntou: "Tem lugar pra mim?".

- Nando Reis, Espatódea.

E lá estava Calum Hood, correndo mais uma vez escola a dentro, ele sempre se atrasava, não importava o que o fizesse para acordar mais cedo, até o moço da barraca de cachorro quente o parava para conversar, e ele conversaria de volta se não estivesse tão atrasado - afinal é por isso que todos falavam com ele, sabiam o quão simpático o menino era, mas não naquela hora, não tão atrasado.

- Você ta atrasado - a voz da menina de cabelos escuros como o do pai foi ouvida assim que o moreno desacelerou os passos, já parando em sua frente no corredor.

- Eu sei minha princesa, me perdoa - ele proferiu se abaixando, a menina cruzou os braços enquanto balançava as pernas.

- Por que você sempre se atrasa? - ela perguntou petulante e Calum riu.

- Eu não sempre me atraso, Ava - o mais velho disse firme e a menina riu.

- Se atrasa sim, papai - ela deu de ombros e se levantou com certa dificuldade da cadeira, por ser menor que a mesma. - A vovó nunca se atrasa - falou confiante e Calum respirou fundo, levantou de seus joelhos e pegou a mochila da menina na outra cadeira.

- A vovó não trabalha, princesa - ele disse paciente e acenou para a secretária, deixando o prédio com sua filha.

- Eu não sou princesa - ela disse fazendo uma careta.

- Ah, não? E o que você é então? - perguntou curioso e Ava sorriu, apontando pra sua mecha colorida falsa, que fora presente de seu tio.

- Punk rock - a baixinha disse convicta e Calum não pôde evitar de rir alto.

- Você tem seis anos Ava, você não pode ser punk rock - ele disse calmo, abrindo a porta traseira do carro velho - que ele havia barganhado há não muito tempo com um senhor estranho -, e prendendo a menina em seu cinto de segurança.

- Por que não papai? - perguntou ofendida. - Tio Mike disse que eu posso ser o que eu quiser - disse de nariz empinado, e Calum riu o apertando.

- Você pode ser o que quiser, quando crescer - ele pôs a mochila de rodinha da Monster High ao lado de sua filha, e fechou a porta.

- Eu sou igual o tio Mike, ele disse que quando eu fizer oito anos ele vai me ensinar a tocar guitarra - a menina disse animada enquanto seu pai tentava fazer o carro pegar.

- Ele disse? - perguntou olhando pelo retrovisor para a pequena, e ela sorriu balançando a cabeça afirmativamente.

- Eu quero falar com ele, liga pra ele papai - Calum riu pegando seu celular e pondo no viva voz do rádio do carro, e o menino atendeu no terceiro toque.

- Fala Cal-Pal - Michael disse animado do outro lado da linha.

- Ava quer falar com você - o moreno indicou, antes que seu amigo dissesse qualquer coisa inapropriada na frente de sua filha.

- Oi tio gatinho - ela gritou eufórica.

- Oi minha punk rock - ele falou rindo e Calum viu a menina sorrir convencida no banco de trás.

- Papai me chamou de princesa hoje - ela disse cruzando os braços e fazendo um bico de forma fofa.

Michael fez um som de indignação antes de dizer:

- Eu não acredito nisso!

- Eu disse que eu era punk rock, e ele disse que eu não pudia ser punk rock - ela suspirou de forma dramática, e Calum não conseguiu evitar a risada.

For Ava | CashtonLeia esta história GRATUITAMENTE!