Capítulo 22 (maratonaaa)

1.5K 125 0

Isso não é nada bom...

–– E como ninguém havia me dito isso?

–– Por que não é sua responsabilidade. É a minha,falando nisso eu tenho que ir. Só não esquece dos meus conselhos

Ele me beija e sai ,eu vou atrás de Joe e logo o encontro.

–– Que negócio é esse de guerra?

–– O alfa te disse.–– Ele em avalia com seus olhos escuros. –– Os amaldiçoados estão atacando os membros da alcatéia ou demais importantes.

–– E como vocês não sabem quem são eles?–– Falo mais alto que devia.

–– Não aja que nem uma criança Megan, a culpa não é dele.–– Uma voz calma e potente soa ,sinto a presença de Luke antes de o ver.–– Saia Joe, quero conversar com minha protegida.

Joe não sai e o fuzila com o olhar , sinto o poder de Luke se expandir como uma força invisível e aprecio a coragem de Joe já que eu mesma não me sinto bem por ficar com Luke,mas graças a Deus estou ficando boa em esconder minhas emoções.

–– Pode ir Joe.

–– Tem certeza? –– Ele me pergunta e concordo e ele sai. Encaro Luke friamente e ele sorri.

–– Esconder suas emoções é falta de educação para os lycans ,sabia?

–– Não, e não faz nenhuma diferença para mim.

Seu sorriso morre e ele me encara com curiosidade e mais uma vez me sinto um ratinho de laboratório sobre o olhar de um cientista maluco.

–– Você não gosta de ser avaliada... Então você tem sérios problemas.

Luke fala e começa a andar pelo corredor,não evito e o sigo já que mais uma vez minha curiosidade é grande.

–– Como assim?

–– Cada alfa vai te analisar precisamente. E ainda tem Lua...

–– O que que tem Lua?

–– Ela e Ian tiveram uma história antiga, que acabou quando Ian se apaixonou por outra... E digamos apenas que você se parece um pouco com minha irmã.

–– Ian se apaixonou por sua irmã? Por isso que vocês não gostam um do outro... E cade ela?

–– Se apaixonou sim, ela morreu já tem um tempo.

–– Meus pêsames. –– Falo e ele sorri.

–– Tudo bem criança.

O encaro pasma e reviro os olhos.

–– Eu não sou uma criança!

–– Ah,mais é e você nem imagina o quanto.

–– Não sou não !–– Digo parando de braços cruzados na frente dele e percebo que é uma atitude fútil.–– Talvez só tenha ações não exemplares.

–– Só talvez –– Luke para de andar em uma pequena sala que eu nem sabia que existia,ele se senta em um sofá e eu me sento na poutrona à sua frente.

–– E aonde está sua companheira? Já a encontrou?

Me arrependo de perguntar quando sinto sua dor chegar até mim, mas seu rosto não se movimenta nem um milímetro.

–– Já a encontrei sim, mas ela já morreu.

–– Meus pêsames... De novo.

–– Agradeço.

Lua Cheia Leia esta história GRATUITAMENTE!