Capítulo 2

3K 230 19

  A percepção de "seguro" é bem diferente de uma pessoa para a outra ,afinal uma guilhotina pode ser seguro para alguma pessoa,isso não quer dizer que ela tem razão.
Digo isso sobre a cachoeira, também poderia falar o quanto ela é reconfortante  ,mas estaria mentindo. Ela é bela, fria e assustadora nada mais nada menos.

A água bate nas pedras fazendo um alto barulho ,Aylon e Alice andam entre as plantas e as pedras e entram na água ,eu fico onde estou observando o lugar.

Não me sinto bem aqui e afinal isso é um bom sinal , me mostra que eu estou com a mente sã. A cachoeira fica no meio de uma reserva,tivemos que passar no meio da mata fechada desviando de galhos e animais. Quando finalmente chegamos eu já estava com as pernas arranhadas e com pequenos cortes em alguns lugares.

Alice mesmo sabendo como era a caminhada ,já que ,dizendo Aylon, eles vão até a cachoeira direto, veio reclamando o caminho todo.

Respiro fundo e tiro minha camisa,caminho em ziguezague entres as grandes pedras e entro na água gelada da cachoeira ,pelo menos a água é relaxante.

— Gostou da cachoeira? — Aylon me pergunta enquanto Alice nada em uma parte que ao meu ponto de vista é mais perigoso.

— Sim — Não minto totalmente, gostei da cachoeira mesmo a achando perigosa e de difícil acesso.... Se ela tem difícil acesso isso quer dizer que não devíamos está aqui...

— Seja macho Megan,venha até aqui!— Chama Alice.

— Melhor não...

— Ta com medinho é ?— Pergunta Aylon longos meus cabelos longos.

— Estou ! Não sei nadar!— Bufo brava olhando para os montes.

— Vamos te ensinar então.

Aylon fala, mas não respondo,estou ocupada demais encarando uma figura assustadora, em um monte não tão distante um grande lobo preto com olhos vermelhos aparece ,deixo meu queixo cair e começo a tremer quando a coisa me olha.

Aylon segue meu olhar e grita.

— ALICE! VAMOS AGORA ,CORRE  — Não o espero falar de novo ,saio da cachoeira e corro o mais rápido possível sendo acompanhada pelos meus primos e algo me fala que sendo acompanhada pela besta também.

Corro ofegante pela mata densa com o coração palpitante, não tomo o cuidado que tomei na vinda e recebo várias varadas das árvores ,arbustos e cipós.

Mas nem sinto a dor,o meu medo não me deixa sentir-la.

É,afinal a cachoeira não era segura....

Olho para trás e vejo Alice quase me apanhando na corrida ,Aylon está do seu lado.

Foi uma grande idiotice olhar para trás porque não percebi a raiz que apareceu na minha frente ,tropeço nela e vou para o chão rolando em uma pequena ladeira que tinha. Quando paro vejo que machuquei meu joelho ,na mesma hora escuto um uivo horrorizante e vejo ao longe a besta se aproximar cada vez mais rápido.

Grito o mais alto possível e me levanto correndo junto com Alice e Aylon que me ajudaram a me levantar.

Vou morrer, que merda ! Por que não fui ficar em casa.
Vamos todos morrer! Ai meu Deus.

Olho para trás uma última vez só para vez a criatura dar um salto e passar por cima de onde estou ,caindo rosnando em cima de Aylon .

— Aylon!— Alice grita assim que a besta morde o ombro do meu primo, vejo o sangue molhar seu peito e vejo ,no pescoço do lobo uma mancha triangular branca se destaca ,mal consigo acreditar na minha coragem quando pego a maior pedra que vejo e taco na besta.

Lua Cheia Leia esta história GRATUITAMENTE!