Capítulo 1

4.5K 288 29

...

Bem, sempre achei Beacon Falls uma cidade chata, com pessoas intrometidas e fofoqueiras.

Por esse e outros motivos escolhi morar com minha avó em vez de morar com Samuel, meu pai. Minha mãe Amélia morreu em um acidente de carro quando eu tinha 10 anos, 6 anos atrás, uma história triste de fato que piorou à duas semanas atrás quando uma doença terrível tomou minha vó e a levou à morte, depois do enterro dela passei um tempo na casa que ela me deixou como herança já que minha mãe era sua única filha e eu sou a única filha da minha mãe.

....

  Meu estômago rodopiava a horas, já não sei mais quanto tempo vou aguentar dentro deste carro, meu pai mantém o olhar fixo na estrada enquanto murmura uma música que não reconheço, ao longe avisto a cidade além dos campos verdes e florestas, os recursos naturais da cidade são ótimos e rendem lucros enormes.

Respiro fundo e sinto minha boca se encher de saliva, sinto o gosto azedo e antes que eu vomite dentro do carro falo:
— Pai! Para o carro!

Meu pai encosta o carro assustado pelo meu surto depois de uma longa jornada em silêncio, quando ele se vira para me olhar saio correndo do carro e vômito no canto da estrada, do lado que tem o pasto.

Seguro meu cabelo enquanto sinto a substância jorrar pela minha garganta ,o amargo domina meu paladar me fazendo vomitar ainda mais até meu estômago está vazio , vejo meu pai correr até mim e segurar  meu cabelo .

— Megan , está tudo bem?— Samuel faz a pergunta desnecessária e mesmo no meu estado afirmo.

Meu pai sai e vai até o carro enquanto eu guspo para me livrar do gosto ruim ,olho para uma vaca que me encarava ao longe enquanto mastigava sem parar ,outras atravessavam um riacho seguindo à algum lugar.

— Deve ter sido todas aquelas frituras que você comeu. — Disse meu pai me entregando uma garrafa de água já pela metade e quente ,levei ela a boca e deixei que ela invadisse a mesma , gospi a água depois de a fazer circular em minha boca e repeti o processo me virando para o fiat cinza da minha avó ,agora meu.

— Sem chance, estou acostumada a comer e viajar.

— Então ... É ,sei que fui um pai ausente estes últimos anos mas pode saber que estou aqui para qualquer coisa... Exemplo, se uma gravidez acontecer...

Olho pasma para meu pai e trato de o interromper sentido minhas bochechas esquentarem.

— Pai... Não estou grávida...

— OK... OK ... Mas tem certeza?

— Sim ,certeza ,sou virgem — Admito com vergonha e meu pai solta aliviado.

— Maravilha... Quer dizer , tudo bem... — O interrompo de novo .

— Pai ,chega? Beleza?

— Sim, claro Megan — Ele para e depois toma fôlego para continuar a falar.— Está tudo bem?Acho que você deveria ir ao médico ,sabe, para ter certeza que não está doente de novo?

—Sim ,Sim quem sabe depois — Respiro fundo descartando a possibilidade.— Acho que consigo chegar.

Vou até meu banco do carro e meu pai vai até o dele e começa a dirigir.

— Aline está ansiosa para te rever — Comenta meu pai.

— Digo o mesmo.— Falo por obrigação, mesmo Aline sendo muito legal não estou no clima para reencontros, vi que meu pai ia falar mais alguma coisa então tomo frente — Estou com o estômago meio ruim ainda ,se importa de manter o silêncio por mais algum tempo?

Lua Cheia Leia esta história GRATUITAMENTE!