PRÓLOGO

396 9 3

"Foda-se", pensou Anderson fechando a planilha do Excel.

Ele ia surtar se ficasse mais um segundo olhando para aquela tabela. Sabia que era uma mente criativa e que ficar sem criar nada era o mesmo que privar uma planta do sol.

— Eu estou com uma enxaqueca infernal — disse ele finalmente ficando na frente de seu supervisor reunindo toda coragem que ainda tinha. — Eu acho que vou para o médico. Tá?

— Anderson, — começou o chefe olhando por cima do óculos, — já é a terceira vez essa semana. E sempre quando vai dando três horas da tarde, perto do fim do expediente... Admita você está infeliz aqui.

— Tá tão na cara assim?

— Acho que todo mundo já percebeu.

Anderson respirou fundo.

— Eu falei com o chefão, — começou o supervisor com um ar empolgado, mas contido, — eu posso te conseguir um acordo você sai daqui, pega seu fundo de garantia e vai fazer o que você quer, ou seja, mexer com edição de vídeo, YouTube ou coisa do tipo. Dá pra perceber como você fala com paixão daqueles vídeos que você faz em casa.

— Eu tenho família, chefe. Não posso largar o emprego assim... Minha esposa vai arrancar a minha cabeça!

— Pensa bem sobre isso, amanhã a gente conversa.

Foi então que Anderson olhou para o lado, pensou por meio e segundo e disse: — Quer saber?

A Origem do Capitão Foda-seLeia esta história GRATUITAMENTE!