⚠ Thirty-Five ⚠

Começar do início

     O menor se contorcia sobre a cama, prendendo os gemidos mordendo o lábio inferior, sorri com a cena, sabia que ele não iria conter por muito tempo. Retirei seus coturnos, os deixando bater com tudo contra o piso, em seguida seu jeans, que foi parar atrás da poltrona. Não tínhamos mais controle, limite era palavras riscada fora de nosso dicionário. Apenas os dois, sedentos, torturados no próprio prazer, fervendo a atmosfera ao nosso redor. Retirei meus sapatos e minha calça, deixando cair próximos a cama, o barulho da fivela de meu cinto batendo contra no chão, deixou o momento ainda mais excitante.

     Uma ideia me passou pela cabeça, peguei o cinto no chão, amarrando seus pulsos firmemente, e os levando para cima de sua cabeça. Jimin me encarou confuso, mas ali não havia medo, o mais novo parecia até gostar da sensação de ser amarrado. Me debrucei sobre seu corpo, dando ideia de que iria selar nossos lábios, mas apenas os rocei, provocando seus melhores instintos. Girei seu corpo contra o colchão, o colocando com as nádegas viradas para cima, soltei o peso de meu corpo ali, esfregando minha ereção ainda coberta em sua bunda perfeitamente desenhada, enquanto mantinha umas das mãos segurando fortemente seu pescoço.

     -Sei o que está sentindo, Bebê! -Sussurrei em seu ouvido. -Eu queria entrar logo em você, apagar todo esse se fogo. -Continuei a me esfregar, enquanto seus gemidos se tornaram mais sôfregos. -Mas iria acabar com a graça de uma tortura. -Com a mão livre, acertei um tapa em sua coxa. -Ah, Jiminnie! Não devia ter me desafiado, amor. Eu não terei piedade.

     -Kookie... -Sua voz saiu abafada, mas sabia que estava carregada de desejo. -Por favor...

     -O que foi, Bebê? -O virei de frente, ficando em meio a suas pernas. -Implora, meu anjo!

     -Eu quero você... -Ele tentava se soltar, mas além do cinto em seus pulsos, uma de minhas mãos, mantinha as suas no lugar. -Isso não é justo...

     -Sabe o que não é justo, Bebê? -Seus olhos se voltaram aos meus, quase se fechando. -Não é justo, ter que sair de uma aula, só porque fiquei duro, imaginando essa boca. -Rocei nosso lábios. -Você não é justo, Jimin-ah. Roubou o resto de sanidade que havia em mim.

     Na verdade acho que foi ao contrário, eu roubei sua sanidade, sua inocência, mas lhe dei prazer, um prazer indescritível ao qual aquele ômega não poderia negar.

     -Seu cheiro é um pecado, Bebê! -Beijei a curva de seu maxilar. -Me sinto condenado ao inferno, a cada gemido que ouço sair por seus lábios, pelas coisas sujas que eu ando pensando.

     -Jungkookie! -Ele choramingou ainda mais, como se sua ereção estivesse o incomodando.

     -Eu disse para implorar, Bebê! Ainda não ouvi sua súplica. -Sussurrei, antes de selar seus lábios, e escorregar a mão livre para o interior de sua boxer.

     -Me fode logo, Jeon! É isso que quer ouvir? -Nunca o imaginei irritado, aquilo me surpreendeu, e me fez encará-lo.

     -Como disse? -Precisava ouvir aquilo novamente, suas bochechas ficaram completamente rubras.

     -Me fode logo, alfa. -Jimin disse agora de forma manhosa, por conta de meus movimentos em sua boxer. -Você venceu, eu não aguento mais. -Seus quadris se moviam em direção a minha mão. -Me fode logo!

     Não respondi, apenas arrastei a última peça para fora de seu corpo, o deixando completamente exposto, impossibilitado de usar as próprias mãos, e sedento por minhas ações. Desci meus lábios direto ao seu membro, retribuindo o que dei feio a algumas horas dentro de meu quarto. Jimin estava tão necessitado, que não precisei fazer muito para sentir seu gosto, apenas alguns movimentos, e leves investidas com dois de meus dedos. Descartei até mesmo o uso de um gel lubrificante, preparando sua entrada com minha própria saliva.

Sweet Poison ⚠ Jikook ABO ⚠Leia esta história GRATUITAMENTE!