Capítulo 13

1.4K 297 155
                                    

— Olha aqui — Wonho, àquela altura, já estava gritando com a recepcionista e nem se importava que o hospital inteiro estivesse olhando —, eu não sei se você entendeu, mas eu vou repetir: meu amigo começou a arder em febre do nada e já está delirando. Nós já preenchemos a ficha toda, por que ainda ninguém veio nos atender?!

— Eu já disse que os leitos estão ocupados. Vão ter que esperar, e você está muito exaltado. — A recepcionista respondeu.

— Você não diga que eu tô exaltado! — Wonho se exaltou ainda mais. Por sorte, Jooheon se intrometeu e disse que ia resolver o problema.

Uma recapitulação breve: depois que Changkyun apresentou seus sintomas na pizzaria, eles correram com o amigo para o hospital e por sorte ele havia levado seus documentos na carteira. No entanto, já estavam horas naquela recepção e mesmo sendo um caso de urgência, se recusavam a dá-lo qualquer prioridade. Kihyun estava com medo que Changkyun desmaiasse antes de sequer ir fazer a avaliação.

— Olá. — Jooheon respirou bem fundo, apoiando-se no balcão com a recepcionista atrás. — Me desculpe pelo meu amigo, estamos todos nervosos porque não é a primeira vez que acontece algo do tipo. Eu sei que tem muitos pacientes aqui, mas ele é um caso de urgência. Você não pode sequer chamar um enfermeiro?

— Não. Eu já disse que vocês precisam esp-

— Esperar o quê?! Que ele desmaie? Morra de febre? Ou você quer esperar que nós liguemos para a polícia e denunciemos o hospital por omissão de socorro?

A recepcionista arregalou os olhos, de repente parecendo lembrar de todos os problemas que uma denúncia daquelas levava a um hospital. Rapidamente, ela murmurou um "só um minuto" e discou números no telefone. Jooheon olhou para trás onde seus amigos e o quase-inconsciente Changkyun estavam sentados e fez um sinal positivo com o polegar.

Em exatos um minuto, do corredor, dois enfermeiros e uma médica vieram carregando uma maca e ajudaram Changkyun a subir nela. Ele teve de ir sozinho, no entanto, pois ninguém ali era de sua família.

[ > ]

— Quem está com Lim Changkyun? — No que pareceram horas depois, a mesma médica de antes surgiu na recepção.

— Aqui! — Os meninos levantaram e disseram em uníssono. A médica franziu as sobrancelhas. Kihyun bufou e se aproximou dela.

— Eu sou o mais próximo. O que aconteceu? — Kihyun perguntou.

— Acho melhor conversarmos na minha sala. As visitas já estão liberadas, apenas dois por vez. Quarto 332.

Os meninos foram em direção a ala de visitantes e Kihyun seguiu a médica até sua sala. Lá, sentaram-se um de frente para o outro. A médica lhe deu um sorriso gentil.

— Sou Choi Sojung. E você?

— Yoo Kihyun.

— É um prazer, Yoo Kihyun. Bem, o caso do seu amigo é algo um pouco grave. Fizemos alguns exames, e os resultados indicaram uma atividade hormonal fora dos padrões e respostas agudas, que podem e estão prejudicando o organismo dele. Ele é um menino jovem e seu porte físico é bom, o que me leva a crer que ele pratica esportes, então ainda estamos tentando entender as razões do motivo.

— Ele é capitão do time de basquete do nosso colégio. Ele... teve uma queda de pressão uma vez por treinar demais. — Kihyun queria que fosse ele. Queria estar internado no lugar de Changkyun. A culpa era toda dele.

— Que bom que me contou. O caso do seu amigo é reversível: com alguns remédios eu acredito que sua taxa hormonal já se equilibre, no entanto, seu fígado foi levemente comprometido e ele terá de ficar um tempo por aqui. Você conhece os pais dele?

— Conheço o irmão.

— Então faça contatos e os avise que ele está aqui. Precisamos de seus responsáveis para assinar os papéis da internação. Por ora, ele está apenas em observação e passará a noite aqui. É apenas isso.

— Obrigado, doutora Choi — Kihyun levantou-se bem como ela também fez para acompanhá-lo até a porta. — Antes... ele vai ficar bem, não vai?

— Acredito que ainda seja muito cedo para decidir, mas tentaremos o nosso melhor para ajudar.

Quando Kihyun saiu da sala, mal sentia os próprios pés. Essa alteração hormonal, o problema no fígado... ele tinha certeza que era por culpa da poção.

POTION OF LOVEOnde as histórias ganham vida. Descobre agora