Capítulo 12

1.8K 309 359
                                    

Algumas semanas depois, todos já haviam notado que Kihyun e Changkyun haviam se tornado amigos, e os mais próximos sabiam que eles estavam juntos ou, no mínimo, que havia algo entre os dois. Na reta final do último semestre, Hyungwon obrigou a todos que sentassem juntos no intervalo para uma reunião (ou o que quer que fosse).

Quando Kihyun e Changkyun entraram no pátio, Jooheon e Wonho já estavam sentados em uma mesa no canto com cara de não-queria-estar-aqui. Ficaram os quatro esperando Hyungwon dar o ar da graça. Em torno de alguns minutos, ele apareceu e com um pigarro, desatou a falar:

— Meus queridos amigos e pseudo-namorado — ele estava falando de Jooheon —, estamos enfim no último mês das nossas aulas, e nas semanas finais nós não teremos tempo para nada. Tem o jogo do time, as provas, a formatura... então eu pensei: nós deveríamos sair juntos enquanto temos tempo, também para celebrar a junção de Changkyun à panelinha.

— O que você tem em mente? — Kihyun perguntou.

— Eu estive pensando em irmos comer pizza, talvez? De repente podemos ir na pizzaria dos pais do Hyunwoo. — Hyungwon falou olhando diretamente para Wonho, que arregalou os olhos.

— Como você-

— É fofoca por todos os corredores. Shin Wonho tem um peguete universitário, e coisas assim.

Wonho ficou quieto depois disso, provavelmente muito satisfeito com a ideia de ir ver seu peguete universitário na pizzaria, mesmo que não concordasse com nenhuma ideia de Hyungwon por pura questão de honra.

— Bom, eu gosto de pizza. — Changkyun disse de forma simples. — Apoio a ideia!

— Sem objeções? — Perguntou Hyungwon. Todo mundo gostava de pizza. — Perfeito! O que acham desse sábado?

[ > ]

No sábado, Kihyun tinha se arrumado um pouco antes do horário e ficou mofando em seu quarto até Changkyun ligá-lo para dizer que estava em sua porta. Ele teve uma sessão de pensamentos no chuveiro sobre o que Jooheon lhe disse. Changkyun não estava apaixonado por ele, estava sob efeitos de uma poção incerta. Se ele se apaixonasse de volta, só estaria sendo ainda mais egoísta caso quisesse cobrar reciprocidade, porque não havia sentimento nenhum ali se não um encanto forçado.

Quando ele saiu no portão, foi surpreendido pelos braços de Changkyun em sua cintura e um beijo roubado. Ele realmente tinha que fazer aquilo depois de tudo que Kihyun havia pensado?

— Aconteceu algo? — Changkyun perguntou quando separaram os lábios.

— Não, eu só... — ele olhou para Changkyun e se sentiu ainda mais culpado. Aquilo era terrível. Ele se sentia egoísta e infantil. — Acho que levantei da cama muito rápido.

A desculpa não convenceu a Changkyun mas foi o suficiente para que não tocassem no assunto de novo. Encontraram Jooheon na metade do caminho e entraram juntos na pizzaria onde marcaram, onde Wonho e Hyungwon já estavam sentados e pareciam discutir, como sempre.

— Ainda bem que chegaram! — Wonho levantou-se exasperado. — Vocês precisam convencer Hyungwon que pizza de pepperoni é o sabor mais favorável para pedirmos.

— Não! Convençam ele sobre pizza de queijo!

— Por que simplesmente não pedimos uma meio-a-meio? — Changkyun sugeriu.

O silêncio presente entre os dois que tanto reclamavam parece ter respondido uma briga de horas.

— Kihyun, odeio seu namorado por ele sempre ter razão. — Wonho apontou, fazendo-os rir.

Uma vez decidido, o resto da noite foi promissora. Eles conversaram, riram, aproveitaram a pizza e ainda empurraram Wonho para falar com Hyunwoo no caixa. Quando decidiram que estava muito tarde, o primeiro a tomar iniciativa para ir embora foi Jooheon.

Só que Changkyun já estava estranhamente quieto fazia um certo tempo, e quando todos levantaram, ele disse que ia ao banheiro. Kihyun foi atrás dele quando ele demorou demais a voltar.

— Chang? Está aí? Está se sentindo bem?

Changkyun saiu do banheiro de cara pálida. Kihyun colocou a mão em seu rosto e arregalou os olhos.

— Você está ardendo de febre!

— Oh, eu... eu acho que estou. Não deve ser nada. Eu consigo- — No que Changkyun ia dar um passo a frente, um de seus joelhos fraquejaram e ele quase caiu. — Kihyun... eu acho que preciso de um médico.

POTION OF LOVEOnde as histórias ganham vida. Descobre agora