Capítulo 8 - Relacionamentos

168 29 50


Oops! This image does not follow our content guidelines. To continue publishing, please remove it or upload a different image.


— Alô Jenny, bom dia amor... — Allec telefonara pra ela, era sábado às 9h da manhã. — Que horas eu posso passar aí hoje?

— Bom dia amor... Al me desculpa, mas não posso falar agora... Hoje estou com alguns problemas aqui em casa e virão algumas amigas da minha mãe pra cá... Qualquer coisa eu ti ligo mais tarde tudo bem?

— Tá tudo bem amor? — Allec sentira sua voz nervosa.

— Está, estou bem... Mais tarde a gente se fala ok?

— Tá bem, beijos, te amo...

— Também te amo, beijos... — e ela desligara o telefone.

Ficou um pouco pensativo. — "Espero que esteja tudo ok com a família dela..." — e logo despertou de seus pensamentos ao ouvir a porta destravar e sorrisos invadirem o cômodo.

— Al! — Acira correu ao seu encontro e o abraçou. — Que bom que você está bem!

— Eu que pergunto... Vocês estão bem? — retribuiu o abraço e olhou pro seu irmão desconfiado que sorria pra ele.

— Melhor do que nunca mano!

Acira se levantou e foi abraçar John enquanto dizia.

— Temos novidades Al...

— O que é?

— A partir de hoje, Acira será parte de nossa matilha... — John sorriu e a beijou na frente de Allec.

— Eu já suspeitava... Hehehe. — Allec se levantou. — Seja bem vinda oficialmente Acira!

— Obrigada Al! Eu amo estar com vocês... Há muito tempo eu vaguei sem um lar, mas agora com vocês me sinto mais segura! — e apertou John que a abraçou e sorriu.

Jennifer e sua mãe Eleonora foram de carro ao local do incidente em que seu pai começara a investigar junto de Robert, irmão da vítima, que também trabalhava para a polícia e recebera a denúncia da testemunha que encontrara o corpo e já estava na delegacia. O homem morto era primo de Jennifer de 2º grau por parte de pai. Ele havia acabado de chegar de viagem e não possuía muito contato com ele.

— Suponho que tenha sido um casal, há pegadas grandes e menores ao redor do corpo... — comentou Marcus.

— O coração dele está intacto não é? Então, por que o matariam? — perguntou Robert.

— Se realmente for um casal, eu suponho que tenha sido uma maneira de cortejar a fêmea, que ao presenteá-la, decorreu a um acasalamento e esqueceram-se dele. — comentou Eleonora e Robert questionou.

— Mas afinal, vocês acham que foram transformados ou não?

— Bom, ontem era lua cheia, fica difícil dizer... — disse Jennifer.

BloodLycan - A Saga dos irmãos Mool - Parte 1Leia esta história GRATUITAMENTE!