Capítulo 6 - Acira

237 30 78


Eram 16h00

Oops! This image does not follow our content guidelines. To continue publishing, please remove it or upload a different image.

Eram 16h00... O tempo estava nublado e seus pais haviam saído para caçar junto de seus amigos.

John acordou num sofá e viu Acira sentada no chão de costa para ele. Ela era filha dos amigos de seus pais que os visitavam de tempos em tempos. Encostada em seu pé encontrava-se Leonor, tia de Acira. Ambas assistiam TV, mas ao notar que John acordara comentou.

— Já acordou John! — e o cutucou no pé. — Levanta! Daqui a pouco eles estarão de volta com o jantar. — disse sorrindo. Acira o encarou e sorriu. Ambas eram loiras de olhos castanhos claros com a pele similar a neve.

John obedeceu sem dizer nada e se sentou no sofá. Em seguida escutou um choro de bebê vindo do andar superior, supôs que fosse Allec.

— Já volto crianças. — disse Leonor.

Ao sumir nas escadas Acira levantou rapidamente e o puxou pra fora da casa. — Vem John, tava esperando você acordar.

— Por que Acira?

— Vem que eu ti mostro. — o largou e correu em direção as árvores.

— Espera Cira! Não é melhor avisar a tia Leonor? — correu atrás dela.

— Não, é aqui perto!

Correram por alguns minutos e desceram uma ribanceira. Acira se agachou num arbusto e John a imitou.

— Olha... — disse mostrando um alce ferido e parecia ter sido abandonado pelo bando, mas era só um filhote. — Eu o farejei John! — disse rindo baixinho.

— Lá de casa? — perguntou surpreso, pois ela era dois anos mais nova do que ele.

— Uhum!

— Que incrível Cira! Mas o que vamos fazer?

— Vou chamar a tia para abatê-lo...

— Hum... Vamos então. — disse pegando na mão dela se levantando. Mas ao se virarem se depararam com a suposta mãe do filhote ferido, que batia os cascos no chão demonstrando hostilidade.

Acira começou a tremer, John apertara sua mão e sussurrou.

— Corra quando eu disser...

O alce não tirava os olhos deles até que avançou.

— Agora! — gritou John a puxando para outro lado. Os dois eram apenas crianças e mesmo sendo lycans um alce possuía força suficiente pra matá-los.

— Johnnnnn... — Acira gritou ao prender o pé num buraco. Ele ficou sobre ela e se preparava pra receber a pancada no lugar dela.

— Corra Johnnn... — ela gritou e o empurrava chorando para que fugisse. — Nãooooo!

Com a adrenalina ao extremo, ele não a ouviu e quando a mamãe alce empinou-se pra cima para golpeá-lo com seus cascos, ele apenas fechou os olhos e pode ouvir as batidas de seu coração acelerado.

BloodLycan - A Saga dos irmãos Mool - Parte 1Leia esta história GRATUITAMENTE!