[Touch Scream]

38 8 42




O intervalo das aulas havia terminado. Deveria haver ninguém pelos corredores e pátio, mesmo assim, Valentina esperou um pouco mais. Dentro da cabine, tentou ouvir se alguma aluna estava ainda dentro do banheiro. Tudo quieto.

Pegou o celular para conferir o que teria de fazer.

Dessa vez, pelo menos, o que o aplicativo propunha era algo bem mais fácil.

Os outros já estavam a postos, mas, não esperavam por meras fotos do desafio como no dia em que ela teve de cortar o lábio. Queriam um vídeo.

Havia várias pessoas online junto dela. Algumas a encorajavam, chamavam-na pelo nome, a engajavam a continuar juntos como parte de algo... como ela nunca se sentira antes.

Respirou fundo. Saiu do esconderijo. O odor da limpeza lhe coçou o nariz devido ao desinfetante. Certificou-se de estar sozinha. Conferiu cada espaço do banheiro.

Mais pessoas haviam chegado. Eram tantas que ela resolveu fazer uma live.

Iniciou a transmissão.

Caminhou até a primeira cabine, apertou a descarga. Antes de o barulho ser engolido pelo cano ela teria que correr até outros dois sanitários e acioná-los. Depois apagar e acender as luzes três vezes deixando o banheiro no escuro.

O cheiro de lavandas trazia uma calma desconcertante ao ambiente.

Corações subiam pela tela juntos de emoticons de rostos assustados e caveiras.

Valentina ligou o flash do celular. Foi até as pias. Enquanto passava pelas torneiras foi deixando-as abertas. Olhou-se no espelho.

— Maria Sangrenta.

Fechou os olhos.

— Maria Sangrenta.

Encostou a mão livre no vidro.

— Maria Sangrenta.

Esperou uns segundos. Tremia. Olhou ao redor, girou a câmera para que todos vissem.

Nada havia acontecido de estranho.

Ansiosa por saber se os outros estavam satisfeitos e se considerariam como cumprido o desafio, ela desceu os olhos até o celular. Os comentários subiam sem parar.

No escuro, iluminada apenas pela tela do smartphone, Valentina ouviu um estalo.

O espelho... estava... trincado.

No início, não passava de um risco, no entanto, foi se espalhando devagar partindo o reflexo dela ao meio.

Valentina ficou parada se encarando.

Aproximou-se. O que era aquilo? Havia algo estranho no reflexo. No nariz. Levou a mão à própria narina... Havia alguma coisa realmente tampando sua via respiratória. Algodão. Segurou com os dedos em pinça, puxou. Havia sangue. Foi saindo. Sangue? Aquilo se prendeu aos pelinhos do fundo do nariz. Repuxou a pele. Arrepiou ao descolar. Os fios se rompiam. Ela lacrimejava.

Enfim, saiu. E junto veio um vermelho fresco a escorrer sobre a boca.

O celular apitou com uma notificação. "Desafio cumprido".

Em puro horror, Valentina tentava estancar o sangramento. Sujava-se. O mundo parecia entortar e ela a qualquer momento poderia cair. Foi nesse momento que Valentina notou que suas mãos estavam segurando as bordas da pias. Não, não estavam. As duas tampavam seu nariz. O reflexo estava errado.

Deu um passo para trás.

A outra ao contrário aproximou-se tocando a testa no espelho, afastou um pouco a cabeça e voltou com tudo contra o vidro. Com um sorriso, repetiu o movimento. Bateu, bateu várias vezes. O reflexo se espatifou, atravessou para o mundo real, um rosto igual ao de Valentina se projetou da parede coberto por cacos de vidro, que saíam de dentro de si, afiados.

A menina disparou no rumo da saída. Não havia porta, apenas duas voltas de corredor. A cada curva ela se chocava contra as paredes. Aos tropeços, conseguiu sair do banheiro.

— Quê?

O céu já estava escuro. O colégio estava deserto. Seus pés deixaram marcas na poeira do chão. A escola parecia abandonada há muitos anos. Teias de aranhas balançavam-se com o vento. Havia telhas caídas pelo pátio. Paredes derrubadas. Portas arranhadas. Passos. Lembrou-se da coisa no banheiro. Precisava se esconder.

Correu para sua sala. Agachou-se num canto. Colocou uma carteira em sua frente.

As lágrimas fecharam as pálpebras.

Uma mão tocou-lhe o ombro. Com um grito e um tapa ela tentou se defender. Arregalou os olhos, havia ninguém além dela na sala.

***

— Valentina. — O professor chamava, mas ela lançava um olhar assustado de quem não o via nem o ouvia. — O que você tem? — Os outros alunos estavam todos em pé, uns meio afastados, uns filmando. — Valentina?

A menina encolhida em um canto encarava a porta através do professor. Segurou a respiração. Acompanhou seu reflexo caminhar pela sala destruída. Sozinha, ela gritou rodeada de gente.

(718 palavras)

_____________________________________

Caso tenha gostado deixa sua estrela, isso pode não parecer, mas ajuda bastante. E qualquer coisa é só jogar um comentário, responderei a todos. Obrigado pela leitura!    

Carne Morta e Outros Contos Folklóricos de Dark FantasyLeia esta história GRATUITAMENTE!