tempestuar

5 3 2

Não faça da dor sua mordaça.

Se quer ensinamentos,

Este dou de graça.


Não servimos para escravas.

Somos largas asas.


Voe alto, mais alto.

E se cair, se desfaça

Não em lamento, nem em dor,

Mas em água

De chuva que não se acaba.

Temporal que ruge,

Raios que cegam com seu brilho,

E estilhaça esses telhados

Feitos de vidro.

Na Companhia da PoesiaLeia esta história GRATUITAMENTE!