Capítulo 7 - Exposto

399 76 40

Oops! This image does not follow our content guidelines. To continue publishing, please remove it or upload a different image.


Assim que segurou a garota nos braços, Kol sentiu o cheiro de sangue vindo de uma ferida na cabeça dela. Aquilo não podia ser bom. Os olhos verdes dela tinham um brilho forte, como os de Loki, mas ele teve a impressão de que esse brilho estava se apagando aos poucos, agora.

Ele quase não tinha chegado a tempo e foi muita sorte aquele animal não ter escutado sua aproximação. Por causa disso tinha conseguido acertar um belo e profundo golpe com suas garras nas costas indefesas dele. Aquilo teria sido o suficiente para derrubar quase qualquer Wulfenkind, e se não fosse o fato de que precisava tirar a semideusa daquele beco e levá-la a um hospital o mais rápido possível, teria ficado e terminado o trabalho.

Tinha certeza de que o Desaurido ainda estava vivo, mas ia precisar de um belo tempo para se recuperar. Kol colocou a garota no banco do passageiro, prendendo bem o cinto a seu redor e acelerou pela cidade em direção ao Hospital Geral da cidade.

Na porta de entrada abandonou seu GTO, ignorando os gritos de aviso dos seguranças e atravessou o salão principal carregando a jovem de olhos verdes em seus braços.

O sangramento na cabeça dela, de forma impressionante, já parecia ter parado, mas ela ainda estava com uma cara péssima. Nenhum humano teria aguentado o castigo que ela recebeu. Espero que seja lá o que ela puxou de seu pai, seja o suficiente para mantê-la viva.

Preciso de um médico, AGORA! — gritou, chamando a atenção de todos ali.

— Escuta aqui, — Um grupo de enfermeiras disse, indo em sua direção — o senhor precisa passar pela triagem como todo...

A forma como Kol as encarou fez com que todas congelassem onde estavam. Seus olhos azuis travaram o olhar da que parecia ser a mais experiente dentre elas.

— Ela está com um corte profundo na cabeça e vai sangrar até morrer se nada for feito. — Disse e teve que se controlar para não rosnar enquanto explicava a situação.

As enfermeiras se aproximaram com cautela e uma delas examinou a cabeça da garota. Logo fez sinal para que alguém trouxesse uma maca onde Kol a deitou e acompanhou as enfermeiras pelo corredor do hospital.

— Alguém ligue para o Dr. Bernard e avise que estamos levando um caso urgente para a UTI. — A que obviamente parecia ser a encarregada do time disse. — Há quanto tempo ela está assim?

— Encontrei ela a pouco mais do que uns quinze minutos e vim direto para cá.

— Você é da família?

— Não, — Kol disse. — eu apenas...

— É amigo de alguém da família?

— Também não...

— Nesse caso, não posso permitir que fique aqui, vamos procurar pelos familiares dela e notificá-los sobre o que aconteceu. No entanto, preciso pedir que espere no salão da recepção enquanto nós fazemos nosso trabalho.

A filha do fogo - Ragnarok Saga 1 (Vencedor Wattys 2018)Leia esta história GRATUITAMENTE!