Capítulo 7

1.1K 72 25

Os guardas jogaram Aston para cima. O homem pensou que poderia tocar o alto teto do salão. Nunca recebeu tantas salvas. Embora possuísse um grande sorriso no rosto, estava incomodado. Não compreendia como alguém poderia entregar a ele os méritos por tal grande feito. Por que o verdadeiro responsável por pegar o assassino não se reportou direto ao rei? Ao invés disso, deixou uma carta dando todas as orientações de onde encontrar os corpos a um simples guarda.

- Como se sente sendo um herói? – Um colega o cumprimentou com um tapinha nas costas.

Aston fez um sinal para aqueles que o carregavam o colocassem no chão.

- Estou feliz, pois as damas do castelo tem de volta a sua liberdade.

- Ah, quanta humildade. Suponho que não a manterá muito tempo quando for promovido.

Aston abriu um sorriso amarelo. Se sentiu incomodado por não merecer todo aquele crédito. Contudo entendeu que quem lhe deu a dica provavelmente tinha seus motivos para não querer tal atenção. Apenas agradeceu em silêncio.

- Qual o motivo de toda essa festa? – Peder cruzou os braços ao chegar à porta do salão.

- Acho que o guarda encontrou o culpado pelos assassinatos das mulheres. – Niels saiu do meio da multidão, tocando as pernas e tomou um bom gole de cerveja.

- Bom saber. E quem era?

- Um dos que ajudavam na cozinha.

- Fico feliz em saber que a segurança voltou a esse castelo.

- Vamos comemorar, Peder! – Niels o puxou pelos braços.

- Talvez em outra hora. – O lorde Oxe se esquivou. Não estava disposto a começar a bebedeira logo pela manhã.

Balançou a cabeça em negativa. Um simples plebeu ajudante de cozinha causar todo esse reboliço? Riu ao pensar que Catherine havia avisado Peder. O nobre sabia que as vezes costumava ser cruel com as mulheres, mas jamais as machucaria fisicamente.

Deu às costas para o salão. Iria cuidar de assuntos mais importantes é que lhe renderiam mais frutos do que uma bebedeira de comemoração, como impedir que Érico se casasse com a princesa Christina, assim ganhando direito à reclamar o trono da Dinamarca.

- Catherine, coloque esse vestido para mim. Quero ver como caí em um corpo real e fazer os últimos os ajustes.

- Não seria melhor que a própria filha do duque o experimentasse? – Catherine foi para trás do biombo e começou a se despir.

- Quer me ajudar ou não?

- Está bem, Merriam! Já estou vestindo.

- Estou tão feliz por esse bárbaro ter sido pego. Por Deus! Quantas mulheres ele deve ter matado?

- Foram muitas. – Catherine se encolheu atrás do biombo para esconder seus olhos tristes.

Pobre, Diana...

- Venha, deixe-me ver o vestido em seu belo corpo.

Catherine saiu de trás do biombo ajeitando as amarras do vestido em um tom de abóbora. Merriam foi até ela e jogou os cabelos negros para trás a fim de ver melhor o vestido.

Estarrecida, a condessa parou com as mãos no ar. Seus olhos estavam arregalados e enormes como nunca e a boca aberta.

- Catherine, seu pescoço... Esses machucados roxos. Por acaso o rei... – Ela engoliu em seco.

A cortesã passou a mão pelo pescoço e os sentiu doloridos. As imagens de seu quase estrangulamento passaram por sua mente e a fizeram tremer. Era difícil descobrir de onde tirou forças para sobreviver.

A cortesã do rei ( Degustação)Leia esta história GRATUITAMENTE!