Capítulo 9

1.9K 372 144
                                    

Changkyun fez questão de lembrar Kihyun todos os dias da semana sobre o "encontro" deles, que foi marcado para o sábado. "Encontro é o do seu nariz com o meu punho, seu irritante", era o que Kihyun o respondia em troca. Não era um encontro. Se fosse um encontro, ambas as partes estariam de acordo.

— Eu só estou indo porque ele disse que vai me deixar em paz depois disso, logo, eu não estou de acordo. — Defendeu-se ele quando Wonho o perguntou sobre.

— Eu acho que você está bastante de acordo em ir. Não consegue falar disso sem engolir um sorriso.

E pior que era verdade. Toda vez que Kihyun lembrava das palhaçadas de Changkyun durante toda a semana e do jeito que ele parecia tão nervoso para lhe convidar naquele dia, não conseguia conter um sorriso.

— Estou rindo do quão patético ele é.

Mas ele não sabia se era realmente por isso que estava tão sorridente.

No sábado, eles se encontraram em frente a sorveteria que Changkyun escolheu e bem como prometido, Kihyun ganhou um sorvete grátis. Estava tudo indo muito bem até ali, contudo, quando ambos se sentaram em uma mesa, eles teriam de conversar. E conversar era um problema.

— Então... — Changkyun foi quem tomou a deixa. Ele estava bonito sem o uniforme do colégio; parecia mais relaxado do que antes, mas a forma como ele o olhava entregava que ainda tinha muito sentimento envolvido. — Me fale de você, Kihyun.

— Falar de mim? — Dificílimo. Kihyun nunca sabia falar sobre si mesmo. Não se achava interessante pra isso. — Eu não tenho muito o que contar.

— Essa personalidade toda e você jura não ter nada a contar? — Changkyun deu uma risadinha. — Vamos lá. Você pode me dizer os seus hobbies, o que você gosta de ouvir, pra onde você gostaria de viajar...

— Oh. Ok. Eu gosto de fotografar. Ouvir? Um pouco de tudo. Ultimamente venho ouvindo R&B. E viajar... não sei. Eu acho que gostaria de conhecer Tóquio.

Daí, Changkyun se provou um experiente nato no quesito de conversa. Ele acompanhou os tópicos de Kihyun e conseguiu criar uma atmosfera confortável para ambos falarem livremente sobre seus gostos, medos e planos. Como estavam no último ano do colegial, conversar sobre o futuro era eventualmente algo que os interessava bastante. Kihyun descobriu que Changkyun sonhava em continuar com o basquete quando saísse do colégio e queria se tornar jogador profissional. Isso o fez pensar que talvez fosse interessante ir assistir algum jogo qualquer dia.

Eles conversaram tanto que em algum ponto esqueceram que tinham sorvetes para terminar. Qundo se tocaram, já era liquido. Kihyun ficou extremamente desolado por seu primeiro sorvete grátis na vida ter se tornado líquido puro, e Changkyun não fez menos do que rir do drama.

— Você jura que foi o seu primeiro sorvete grátis na vida? — Perguntou o Lim quando eles já tinham saído da sorveteria.

— Te juro! Jooheon é um mão de vaca, jamais pagaria para mim, e minha avó não apoia muito que eu consuma tanta gordura hidrogenada assim. — Ele riu de repente, lembrando das broncas que sua avó lhe dava.

— Você mora com a sua avó? — Eles estavam andando sem um destino fixo. Tinham combinado de parar quando encontrassem algum parque natural.

— É. Os meus pais trabalham com assessoria e... viajam demais. Aí eles decidiram que não tinham mais tempo pra mim, e deixaram que meus avós me criassem. — Kihyun suspirou. — O vô morreu um ano atrás, então é apenas eu e minha avó desde então.

Changkyun criou coragem o suficiente para colocar um braço em torno dos ombros de Kihyun, o pegando um pouco de surpresa. Ele pensou em recuar, em pedir para que o contato fosse quebrado, mas aquilo eram apenas reflexos de sua natureza reclusa e autoprotetiva, então, ele deixou.

— Eu sinto muito.

— Não precisa. A morte não é o final. Tenho certeza que ele está bem agora. — Kihyun o olhou. Estavam mais perto do que jamais estiveram, e algo nele voltou a disparar como costumava fazer quando estavam um com o outro. — Mas... obrigado. De verdade.

Eles andaram em um silêncio confortável depois disso. Kihyun não protestou contra o braço envolto em seus ombros, e estava começando a ser até que... bom. Ficar com Changkyun estava sendo muito bom.

POTION OF LOVEOnde as histórias ganham vida. Descobre agora