VI

18 2 1
                                              


Um ano se passou. Alguma parte de mim, bem fundo, sabia que eu não o amava. Que falava por falar. Eu até sentia algum afeto por ele, mas não era nada comparado ao que eu sentia nos sonhos. Mas era a vida. Não havia escolha. Praticamente casamos, ele vivendo na minha casa em alguns dias eu no apartamento dele nos outros, acompanhando um ao outro em todos os momentos.

Foi impressionante quanto tempo ele aguentou sem um deslize. 

"Sua irmã é uma vagabunda, por isso que ela não consegue um emprego melhor."

Ele estava distraído dirigindo, e não olhou para mim. Eu senti meus olhos arregalados, a boca semi aberta sem palavras. Como ele podia falar assim da minha irmã? Ele sabia o quanto eu amo ela. Senti o peso nas palavras, de uma verdade que finalmente saía. Ele normalmente escondia aqueles pensamentos de mim. De todo mundo. Demorou, mas eu tive um vislumbre de quem ele era de verdade.

Como não vi aquilo antes? Patética. Depois daquele primeiro deslize senti todas as vezes que ele segurou as palavras. Prestei atenção em todos os pequenos gestos, os olhares, as minúsculas expressões. Em minha defesa, ele era muito bom. Mas ninguém consegue fingir que é uma boa pessoa o tempo todo.

Vi seu egoísmo crescer a cada pedido que alguém fazia. Seu ego inflar sempre que falava de trabalho. Vi sua mesquinhez, sua infantilidade... Provavelmente veria seus ciúmes, caso eu desse alguma abertura para isso. Sonhando com ele, não conseguia nem pensar em outra pessoa. Mesmo com aquele nojo dentro de mim.

Acordava todos os dias amando-o, dormia todos os dias odiando-o. Era uma pessoa pequena, mesquinha e terrível. Queria vomitar quando olhava para a cara dele. Os sonhos eram uma prova de que eu tinha algum problema, não de que deveríamos ficar juntos ou qualquer baboseira assim. Me recusei a acreditar que eu merecia um destino tão horrível.

Mas o que eu ia fazer? Terminar e viver mais uma daquelas semanas horríveis? Voltar, rastejando, querendo minha dose diária de afeto dele para suprir meu vício emocional? Ele era tudo que eu tinha. Minha droga.

Sonhei com VocêOnde as histórias ganham vida. Descobre agora