Capítulo 10

1.3K 178 357


O cheiro de salmão com legumes invadia o sobrado. O Pinot Noir estava na temperatura ideal e já havia sido decantado.

Manoela entendia de café e de sua preparação, Stephen entendia de vinhos e por isso, sempre deixava o líquido "respirar" antes de servi-lo. Olhando para o relógio antigo na entrada do seu lar, Stephen constatou que ainda tinha tempo.

Cortou alguns queijos e reservou. Subiu para o seu quarto e trocou pela terceira vez a camisa que usava. Não entendia o motivo de fazer aquilo, apenas quando se olhava no espelho não sentia satisfação com a imagem que era refletida. Talvez por saber que faria o oposto do que desejava, ou também por ter consciência de que fora um completo idiota durante aquela semana toda.

Deu uma última olhada no seu quarto. O porta-retratos no criado-mudo lhe chamou a atenção. Com o semblante sério segurou aquele pequeno objeto entre as mãos e encarou com cuidado a imagem ali contida. Enquanto lembranças invadiam a sua mente sobre o dia em que aquela foto fora tirada, um som ensurdecedor fazia do lado de fora. Ainda com o objeto em sua posse, Stephen afastou as cortinas e a viu.

Manoela removia com graciosidade o capacete, revelando a sua vasta cabeleira crespa. Stephen sorriu timidamente ao observá-la tentando manter aqueles cabelos em ordem e se olhando no retrovisor de sua lambreta velha e barulhenta. Ainda observando sorrateiro do andar de cima do seu sobrado, a viu caminhando vagarosamente em direção ao portal de entrada. Manoela carregava algumas flores. Stephen ficou intrigado com aquilo. A campainha soou. Stephen colocou o porta-retratos de volta no seu lugar, porém, com a imagem contida nele voltada para a parede, e desceu parando no primeiro degrau. Respirou fundo e ajeitou os óculos, agora era tarde para voltar atrás.

A porta foi aberta com cautela. Stephen se projetou aos olhos redondos de Manoela vestindo uma camiseta cinza escura, e sobre ela, um terno preto e suas calças jeans. A garota sorria de forma sincera, tentando disfarçar o seu nervosismo.

Stephen ignorava o fato de que ela estava tão ansiosa quanto ele para esse encontro. Manoela acabara de entrar no covil do homem de letras e da fala mansa e doce, dos gestos contidos e dos beijos ardentes.

— Posso entrar ou vamos comer aqui do lado de fora?

— Por favor! — Stephen abriu passagem com o olhar constrangido. — Não estou acostumado a receber visitas.

— Por quê?

— Como?

Manoela olhava sobre os seus ombros tentando fazer reconhecimento daquele lugar, ao mesmo tempo em que abria alguns botões de seu casaco vermelho.

— Por que não recebe visitas, professor?

Stephen ficou pensativo enquanto estendia a sua mão para receber o casaco. O pendurou ao lado de um dos seus, no suporte perto da entrada próximo ao seu guarda-chuva, e o cheiro de baunilha do perfume de Manoela entrou por suas narinas e com ele veio as sensações passadas naquele final de semana entre as suas pernas, braços e cabelos.

— Sinceramente... Não sei.

— Achei que aqui fosse o abatedouro oficial das jovens inocentes! — Manoela sorriu e lhe estendeu as flores. — Minha mãe me ensinou a nunca aparecer de mãos vazias.

— Obrigado. — Stephen pegou o ramo em suas mãos, um lindo arranjo de tulipas. — Sinto-me preocupado com a impressão que devo passar... Abatedouro...

O Professor [Completo]Leia esta história GRATUITAMENTE!