CINQUENTA: NICHOLAS

1.1K 134 44

Tentaram apagar a Yuna. 

Foi o que o Derek me falou por mensagem. E por algum motivo, eu não me importei nenhum pouco com o significado que esse "apagar" poderia ter. Meu desgosto por ela começou quando eu descobri a possível falsa gravidez, não poderia ser o Derek. E agora isso piorou porque eu sei que ela quer rouba-lo de mim outra vez, é isso o que ela quer, se fazer de vítima para ter o Derek ao lado dela.

Quando o sinal da aula tocou, indicando que estaríamos no intervalo, eu chamei a Alison e a Kimberly — com muita relutância — para ficarem comigo na mesa do Lorenzo e seus amigos.

— Você tem certeza de que ele não vai se importar com a nossa presença, Nicholas? — Alison questiona enquanto ajeita sua blusa branca. — Sei lá, ele tem os amigos dele e eles sempre são tão fechados, isso pode ser constrangedor.

— Ele pediu para eu convidar você, Alison. — revirei os olhos. — Eu já te disse isso umas quatro vezes só essa manhã, se você não quiser vir comigo, simplesmente não venha.

A sala de aula já estava começando a se esvaziar enquanto as outras pessoas iam saindo para o refeitório, Justin foi uma delas, seguido pelo Tony que me lançou um olhar estranho.

— Tudo bem, vamos. — Alison concordou após a última pessoa sair, e então a Kimberly se adiantou à nossa frente.

Tinha que ser agora.

— Espera. — meus dedos tocam a sua pele morena, ela está quente. Kimberly se vira no mesmo instante, e parece surpresa por eu ter feito aquilo. — A gente pode conversar, a sós? — meu olhar encontra o da Alison, e ela apenas confirma com a cabeça antes de sair.

— Eu espero vocês no corredor. — ela disse.

E agora o meu coração estava começando a bater numa freqüência surreal. Minhas mãos tremiam e soavam, e a melhor forma de esconder esse detalhe era enfiando-as no bolso da minha jeans. Kimberly permanecia parada à minha frente, esperando pelas palavras que estavam emboladas em minha língua, nunca foi tão difícil assim pedir desculpas. — E eu ainda achava que não deveria, a culpa era inteiramente dela. Mas eu estava com saudades da nossa amizade.

— Eu sinto muito. — falo após desviar o olhar para os meus pés. Sapatos vermelhos.

— O quê? Eu não consegui entender. — ela provoca, e eu tenho vontade de sair da sala sem falar mais nada. Já é difícil para mim fazer isso, e ela ainda leva na menor seriedade.

— Eu disse que eu sinto muito pelo o que aconteceu entre nós dois, eu não deveria ter dito aquelas coisas para você e não deveria ficar estressado com as coisas que você fez já que nem éramos namorados. — dizer essas palavras me aliviam, é como se o peso que eu sustentei durante as férias tivesse sumido em segundos.

Kimberly concorda com a cabeça enquanto se aproxima de mim. Ela tira a minha mão direita do bolso, depois a esquerda, e então entrelaça nossos dedos sem se importar com o tremor que eu apresento.

— Sabe.. — ela começa. — Eu acho que eu sempre soube que você era gay, ou bissexual, não sei, acho que é bissexual, não é mesmo? — ela ri apenas por um instante. — Lá no fundo eu sempre soube, quer dizer, todos nós sempre fomos cientes do sentimento que você tinha e tem pelo Derek, é ridículo dizer que isso não existe, eu sabia disso, mas um pedacinho de mim acreditava que você conseguiria me amar também, entende? — eu olho em seus olhos. — Eu achei que se eu ficasse, que se eu tentasse, tudo poderia dar certo entre nós dois, mas só depois de um tempo eu percebi que as coisas não funcionam assim, a gente não pode mandar no coração dos outros.

Kimberly aperta minhas mãos com força, e eu retribuo o aperto.

— O que aconteceu durante aquela festa foi uma tragédia, eu estava tão bêbada e tão chapada, e estava cumprindo o desafio para o Adam, ele ia me recompensar de uma boa forma depois, com dinheiro, e ele fez isso. O Justin foi um babaca, ele não deveria estar no quarto também, o desafio era somente comigo e os outros amigos do Adam que estavam lá, o Justin entrou de intruso, e eu estava tão louca que não me importei nadinha com aquilo. — Kimberly roça polegar por minha mão. — Eu não transei com nenhum deles naquela noite, você foi o único. Eu não quis beijar nenhum outro naquela noite além de você, e enquanto eu queria isso, você estava igual um cachorrinho atrás do Derek enquanto ele estava passando de quarto em quarto com várias e várias garotas.

Depois do Ritual (Romance Gay)Leia esta história GRATUITAMENTE!