Capítulo 5

1.7K 404 120
                                    

Jooheon obrigou Kihyun a só sair de casa quando tudo estivesse higienicamente em ordem — tanto ele quanto seu quarto. No fim da tarde do mesmo dia, ele pegou sua bicicleta e pedalou apressado até a casa dos Shin, que ficava duas quadras da sua. Ele quase surtou quando Wonho disse que ainda tinha um frasco sobrando e não cobraria nada dele porque eram amigos.

Ele estava tão eufórico para pôr as mãos na poção que nem se importou de acorrentar a bicicleta: a jogou na calçada e saiu correndo para tocar o interfone da residência. Quando não obteve resposta, bateu no porta.

— Shin Wonho, é o Kihyun! — Gritava ele. — Seu estúpido, abre essa porta!

Demorou cerca de dez minutos adicionais para enfim a maldita porta ser aberta. Kihyun estava quase possesso.

— Seu endiabrado... achei que não ia mais me atender hoje. E se eu fosse assaltado? Ein?

— Endiabrado? — A voz da irmãzinha de Wonho soou e Kihyun baixou o olhar, mordendo o lábio de puro nervoso ao ver a garotinha de cabelos negros o olhando com dúvida e inocência. — O que é isso?

— Oh, gracinha. — Kihyun sorriu para ela e ela sorriu de volta. — Pergunte ao seu irmão o que é. Ele está?

A garotinha o deixou entrar e disse para procurá-lo escada acima. Dito e feito, quando Kihyun botou os pés no último degrau, um cheiro forte de incenso ou seja o que for atingiu seu nariz e o fez espirrar. Ele seguiu até o fim do corredor, onde uma porta aberta denunciava a origem do cheiro e um Wonho engarrafando uma mistura dourada e translúcida em pequenos frasquinhos.

— Oh, Kihyun — Wonho subiu o olhar para ele. — Eu achei que fosse vir apenas a noite. Que afobamento...

— Você sabe que tenho os meus motivos. Que incenso terrível é esse? Comprou na promoção? — Wonho revirou os olhos, parando o que estava fazendo para se direcionar a uma prateleira no canto do quarto espaçoso e cheio de... tudo. Amuletos, ervas medicinais, velas, frascos de vidro preenchidos com todas as cores. Tudo.

Ele fuçou entre os frascos na prateleira até murmurar um "achei você", voltando com um frasco redondo preenchido com líquido rosa choque em mãos. Talvez o incenso barato estivesse confundindo a mente de Kihyun, mas ele podia jurar que o frasco estava brilhando. Ele esticou os dedos ansiosos para pegar a poção, mas Wonho o impediu.

— Nem pensar! Poção do amor é coisa séria. Tem regras. — Wonho disse, pegando um papel do bolso e juntando ao frasco. — Não se engane pela quantidade, elas são poucas mas são importantes. Poderosas o suficiente para estragarem tudo se não forem seguidas. Entendido?!

— Entendido. — Então Wonho deixou o frasco e o papel com as regras nas mãos de Kihyun. — Para quantas pessoas você já vendeu isso?

— Não sei ao certo, mas bastante gente. Não faça besteira, okay? Estou confiando em você o meu último frasco.

Kihyun o assegurou que iria ser responsável com a poção e foi embora depois de um tempinho. Quando chegou em casa, colocou o frasco em cima de sua cômoda e sentou-se na cama para ler as regras, já pensando como deveria fazer para Minhyuk beber aquilo.





• POÇÃO DO AMOR - REGRAS IMPORTANTES

I. Assim que a poção for ingerida, certifique-se de que a primeira pessoa que seu amado verá será você.

II. O efeito da poção tem período indeterminado, podendo ou não ser para sempre.

III. A poção precisa ser misturada com qualquer outro líquido por questão de segurança. Ela não possui gosto e perde sua cor uma vez que diluída, então pode ser bebida até mesmo com água.

IV. Não há antídoto para a poção. Uma vez que ingerida, não tem como voltar atrás.

V. A dosagem exata da poção são seis (6) gotas, nem a mais e nem a menos. Dosada errada, o efeito pode ser contrário, muito forte (obsessão) ou inexistente.

VI. A poção só pode ser usada uma única vez. Depois disso, ela perde seu valor e não funciona mais nem com a mesma pessoa, nem com outra.

POTION OF LOVEOnde as histórias ganham vida. Descobre agora