TREZE: POR UMA NOITE

328 68 25


Quando ouvia as pessoas dizendo que mentira tem perna curta, sempre achava engraçado. Mentira, propriamente dita, não tem perna, não tem corpo físico. Entendia, claro, que estavam dizendo que ela nunca ia muito longe, apenas de pessoas de perna curta terem a mesma habilidade de caminhar, só dão passadas menores.

A questão é que nunca me preocupei muito. No orfanato, mentia na cara dura sobre todas as besteiras que aprontava, mas depois que saí das amarras daquele lugar e fiquei rodeada de pessoas que não me julgavam e em quem eu confiava ardentemente, a mentira simplesmente esvaiu-se de mim. Não que não contasse uma mentirinha aqui e outra ali, isso já fazia parte da minha formação porque havia passado a infância inventando historietas para não apanhar, mas nada muito complexo. A omissão, em contrapartida, acontecia com mais frequência; Lisbela e Bianca não precisavam saber que eu tinha transado com o rapaz do açougue no depósito do supermercado, precisavam? Algumas coisas, preferia guardar para mim e não era por mal - sei lá, só não queria que ninguém soubesse que minha reputação era mais enlameada do que eu deixava transparecer.

O problema foi quando as coisas da Caçadora começaram a cair em cima de mim e a descoberta dos meus poderes vieram à tona. Ao primeiro momento, fiquei com medo do julgamento delas à minha tendência violenta, depois, fiquei com medo da rejeição aos meus poderes, do medo que pudessem ter de mim ou por mim, além do meu envolvimento com o Investidor poder ser desmembrado em três mil situações negativas que eu conseguia pensar, mas não queria ter que ouvir. Quanto menos soubessem, então, me pareceu melhor.

Era bem óbvio que, em algum momento, não conseguiria explicar o que estava acontecendo, minhas histórias iriam ficar com buracos tão grandes que não daria para justificar. Quase havia acontecido com a última aventura. Agora lá estava eu com a faca e o queijo na mão e não dava para mentir ou omitir que havia comido um pedaço. Como iria explicar de onde tinha saído meu sundae deixado à porta? Como ia explicar as queimaduras no sofá e nas almofadas?

Era a hora de contar a verdade para as minhas irmãs na esperança delas me aceitarem como eu era, como sempre haviam feito. E, caso não... Talvez eu precisasse arrumar minhas malas e ir para um canto qualquer. Seria mais seguro para elas, também.

Mas... Como começar?

Bia e Lis me encaravam com os olhos arregalados de medo à minha reação, provavelmente lendo, em minha expressão, que a coisa não era nem um pouco simples. Mesmo assim, Bia sentou-se no sofá com um longo suspiro e deu dois tapinhas no lugar ao seu lado, me chamando para ocupá-lo.

- Tudo bem - murmurei, aceitando. Lis se aproximou de nós duas e sugou meu canudo, roubando um pouco do sundae, antes mesmo que eu o provasse. Não reclamei, porém, causando seu estranhamento. Estava séria e compenetrada. - Escondi algumas coisas de vocês.

- Isso é óbvio - Lis disse, concordando. Bianca estava com o rosto fechado, como se aquela confirmação fosse o necessário para comprovar a teoria que estava tecendo há dias. - Pra começar, você continua com dinheiro, mesmo não aceitando mais serviços e isso é bem estranho.

- E a gente achou um monte de tecido queimado outro dia - Bianca completou, me encarando com seus grandes olhos escuros brilhando em incompreensão na minha direção. Ela quase dizia, sem proferir nenhuma palavra, por que você está escondendo tantas coisas da gente?

Mordi meu lábio. Tinha, realmente, acontecido de queimar algumas roupas no treino e achara seguro guardá-las escondidas dentro do meu armário - continuaria treinando e era melhor usar o que já estava estragado do que acabar aumentando a pilha de desperdício de roupas. Nunca imaginaria que Bianca e Lisbela achariam-nas, apesar de não ser incomum que fossem ao meu guarda-roupa pegar alguma coisa emprestado. Foi burrice minha. Lidar com meus poderes e suas consequências ficava cada dia mais natural, então estava ficando mais difícil esconder aquela parte de mim.

[HIATUS] A Caçadora de CanalhasLeia esta história GRATUITAMENTE!