⚠ Prologue ⚠

80.4K 5.7K 6.3K

"O amor está muito mais associado à composição química... Do que propriamente a atração carnal."

     Quinze anos após a morte de seu marido, Jihyo jamais poderia imaginar que se casaria novamente, até que em seu local de trabalho, conheceu Park Donghyun. O alfa foi transportado para o hospital, após um acidente de transito, e graças a isso, a mulher descobriu que o mesmo também estava viúvo, havia perdido a esposa para uma grave doença. Um alfa solitário e uma ômega da mesma forma, com poucos meses de conversa, se sentiram atraídos, resultado em um relacionamento sério. O casamento só dependia da aprovação dos filhos, que seriam apresentados em um jantar na casa da mais velha.

     Jungkook se encontrava jogado sobre o carpete da sala de jogos, o jovem alfa não ligava muito para as regras que sua mãe impunha, cresceu sem o pai, o mesmo morreu deixando o garoto com cinco anos, e seu irmão mais novo com dois. Yoongi era o oposto do irmão, por ser um ômega, sua personalidade era um pouco mais tranquila, e apesar da pouca idade já havia sido marcado por seu alfa, Kim Taehyung sempre foi possessivo quando se tratava de seu pequeno, demonstrando muito amor e proteção ao mesmo.

     -Jungkook, desligue esse vídeo game e vá se arrumar. –A voz da ômega ecoou pela casa.

     -Já estou indo. –O garoto respondeu bufando com a atenção ainda voltada para a tela.

     -Não me faça ir até aí. –A mulher gritou novamente, estava acostumada a teimosia do filho, se culpava por tê-lo mimado tanto.

     A mulher esperou por mais alguns minutos, estava terminando de arrumar a mesa, seu filho mais novo, e seu agora genro lhe ajudava com as tarefas, ela não conseguia esconder a felicidade ao vê-los juntos, e pedia aos céus que enviassem uma ômega, ou até mesmo um ômega para o mais velho, estava cansada de ver seu filho agarrando uma pessoa por noite, como um animal incontrolável. Jungkook é um alfa irresistível, e isso não é elogio de uma mãe coruja, bastava acompanhá-lo ás reuniões da faculdade, que via o enorme grupo de garotas, que se atiravam aos pés de seu bebê.

     Percebendo que sua ordem não foi atendida, a mais velha foi em direção a sala de jogos, puxando a tomada do aparelho. O garoto pensou em repreendê-la, mas não queria passar o fim de semana cumprindo castigo, logo esse que teria uma festa do time de futebol da faculdade. Antes mesmo de questioná-la a ômega apontou para o segundo andar, e Jungkook subiu sem encará-la.

     -E faça o favor de colocar uma roupa descente. –Sua mãe gritou do primeiro andar.

     -Pode ser pijama? –O mais velho ironizou, não gostava nem um pouco da ideia de sua mãe se casar novamente.

     -Se me aparecer aqui com um pijama Jeon Jungkook, irei matá-lo, não estou brincando. –Jihyo se estressava facilmente com seu filho, o alfa havia puxado o terrível gênio de seu marido. –Céus, quando esse garoto vai crescer?

     -Não se preocupe, Omma. Quando Kook achar alguém, ele toma jeito. –Yoongi falou de forma doce, enquanto ajeitava a camisa social de seu alfa.

     Taehyung o puxou pela cintura, nem se importando com a presença da sogra, apenas selou os lábios do menor. A mulher deixou o casal sozinho, e seguiu até a porta após ouvir o barulho de um carro estacionando. Em menos de um segundo, a campainha tocou. Jihyo arrumou seu vestido antes de finalmente abrir a porta, quando girou a maçaneta, encontrou seu amado com um buquê de rosas vermelhas.

     -Boa Noite, Amor. –O mais velho entrou, selando rapidamente os lábios da ômega. –São para você. –Ele estendeu o buquê para a mesma.

     -Boa Noite e obrigada. –A mulher sorriu pegando as flores. –Onde está o pequeno Jiminnie?

     -S-sou eu. –O garoto que estava escondido atrás da parede, se revelou.

     Era a primeira vez que Jihyo via o filho de seu amado. Park Jimin é um adolescente adorável, pelo que o mais velho dizia. Um ômega de dezessete anos, com uma beleza inimaginável. Até mesmo a mulher se encantou, a combinação perfeita de cabelos loiros, olhos levemente acastanhados, e pele clara. Apesar de ser tão belo, é um garoto inseguro, mais tímido que o normal para um ômega.

     -Olha como ele é lindo. –Jimin se sentiu seguro quando foi acolhido pelos braços da mulher, por um segundo se lembrou de sua querida mãe.

     -Obrigado, senhora. –Suas bochechas atingiram tons avermelhados, a ômega achou o pequeno ainda mais adorável.

     -Oh, não me chame de senhora. –Ela disse encarando o noivo, Donghyun apenas admirava a forma doce que a mulher tratava seu filho. –Iremos dividir a mesma casa em menos de uma semana, quero que me veja como uma amiga.

     Quando senhora Park morreu, o velho alfa ficou sem chão. Jimin tinha quinze anos, e passou a se fechar desde que á mãe se foi. O mais estranho, era que apesar de hoje ter seus dezessete anos, o garoto ainda não havia passado pelo primeiro cio, os médicos não sabia justificar, mas usavam como desculpa o trauma da perda.

     -Bom, venham. –Ela os guiou até a sala de jantar. –Esse é meu filho Yoongi, e seu namorado Taehyung.

     -Olá. –Jimin respondeu um pouco tímido.

     -Seremos grandes amigos. –Yoongi disse fazendo a ômega mais velha sorrir.

     Bom, um dos filhos ao menos foi educado, sua maior duvida seria a reação de Jungkook. A mulher suspirou ao ver o maior descendo pela escada, sustentando seu olhar forte contra o do alfa agora seu noivo. Esperava que seu filho dissesse algo, então se colocou entre eles.

     -Filho, este é Park Donghyun, meu noivo. –Jihyo estava nervosa. –E amor, esse é Jungkook, meu filho mais velho.

     -Olá, rapaz. –A voz firme do alfa fez todos ali recuarem, menos o garoto a sua frente. –Sua mãe falou muito bem de você.

     -Espero que cuide bem dela. –Jungkook disse caminhando em direção a mesa, ouvindo um suspiro de alivio da ômega presente no local.

     Jungkook se sentou ainda incomodado, não suportava a ideia de seu pai ser substituído, mas estava feliz ao fato de ver sua mãe sorrindo depois de anos. Foi tirado de seus pensamentos, por um perfume diferente, algo mais doce do que tudo que já havia sentido, ao encarar a cadeira ao seu lado, percebeu a presença de um ômega. Seus olhares se chocaram e naquele instante, soube que estaria mais que encrencado.

     -Ah querido, este é o filho de Donghyun. –Ouviu a voz de sua mãe, mas sua atenção estava voltada aos traços perfeitos do tal ômega. –O nome dele é Park Jimin.

     -Oi. –Sua voz era tão doce quanto seu cheiro.

     Park Jimin, seria esse, o nome de um veneno? 

     Park Jimin, seria esse, o nome de um veneno? 

Oops! This image does not follow our content guidelines. To continue publishing, please remove it or upload a different image.


Mais um tiro no escuro... Espero que gostem... Kkkkk'

Beijos e quem sabe até o próximo capítulo. <3

Sweet Poison ⚠ Jikook ABO ⚠Leia esta história GRATUITAMENTE!