Capítulo 4

2.1K 252 330


O resto daquele dia não foi um desafio apenas para o professor. Para a balconista também, ou melhor, a barista como gostava de ser chamada, já que ela também aprendeu a elaborar bebidas a base de café. Tudo bem que naquele lugar em particular não usava desse seu talento, aprendido na época em que ficou em ares franceses.

Trabalhou em uma casa que oferecia esse tipo de serviço. Não uma simples cafeteria aos redores de uma universidade. Era somente a casa de café mais famosa de Paris, frequentada pelos apreciadores daquela arte e pessoas que buscam por status.

Começou naquele estabelecimento como uma simples serviçal da limpeza, porém, seu carisma, atitude e beleza chegariam aos olhos do barista mais famoso e prestigiado do estabelecimento. Em pouco tempo, após dividirem os lençóis, ele estava lhe ensinando a sua arte para logo depois dividir o balcão e criações. Manoela é uma pessoa muito criativa e sem medo de se arriscar. O que instigava Jacques Laurent a tirar tudo que ela poderia lhe oferecer.

Noites tórridas de sexo e discussões profissionais eram comuns em seu dia a dia ao lado daquele jovem francês, de cabelos loiros na altura do seu maxilar. Ambos tinham a mesma idade e o mesmo ímpeto por atenção. Manoela queria provar que era mais do que um rosto bonito ou um corpo atraente, ainda mais depois que ficavam sabendo a sua nacionalidade.

Infelizmente, ser brasileira em terra estrangeira ainda era um estigma nada agradável ou mesmo justo. Jacques era um aproveitador de mão cheia desses atributos. Manoela poderia ainda estar na França se não fosse por aquele homem.

Cansada de ser vista apenas como uma mera satisfação ao seu bel prazer, arrumou suas coisas e partiu para terras inglesas. Já era hora de testar se o inglês aprendido teria valia. Tentou algo na capital londrina similar ao que teve na França. Apenas serviços às escondidas foram oferecidos. Aceitos, afinal os gastos ali eram altos, não gostou muito da forma fria como lhe tratavam.

Nesse meio tempo conheceu um irlandês. Caiu na balsa com ele. Houve um pouco mais de receptividade por lá. Trabalhou em um pub em Dublin. Mas o rapaz não ficou com ela por muito tempo. Era o tipo que ia e vinha sem muito planos de se fixar em um lugar. Manoela não ficou chateada. Pelo contrário, sentiu-se aliviada, ele era um tipo explosivo. O que Jacques tinha de babaca, Colin tinha de imprevisível e como Manoela não era uma pessoa de se rebaixar e aceitar calada o que acontecia em sua volta, terminar a relação com ele foi uma de suas melhoras atitudes.

Dublin logo deixara de ser interessante. E dessa forma, sentiu que era o momento de se aventurar por outro lugar. Pensou em seguir para Escócia. Desistiu, embarcando novamente rumo à Inglaterra. E agora, diante do espelho do seu banheiro soube o motivo de não ter ido para as terras altas. O professor era a sua resposta.

Terminou a sua maquiagem arrematando com um delineador. Seus olhos, que já eram o ponto alto de seu rosto, se tornaram mais presentes. Manoela sabia disso. Os lábios também tiveram atenção. Optou por um tom de roxo próximo do vinho. Se seus lábios fossem exagerados poderia passar outra ideia, mas como eram finos, aquela cor servia até para aumentá-los.

De volta ao quarto, pegou a sua jaqueta de couro preta, comprada assim que chegou até a terra natal do seu falecido pai. Jaqueta que a salvara de vários momentos em que o vento gelado Europeu soprava com mais força. Por baixo estava usando uma camisa xadrez de flanela em tons de preto com roxo, mais um motivo por ter optado por aquele batom. E embaixo dela uma blusa de alça preta colada ao seu corpo magro. As calças escolhidas também eram pretas e justas em seu corpo. Nos pés, manteve os seus velhos tênis surrados. Até pensou em colocar as botas de saltos. O que seria uma opção assertiva, já que seu acompanhante era muito mais alto do que ela. Manoela tinha um fraco por homens altos. Porém, o cansaço em suas pernas depois de um dia inteiro em pé pesou na sua decisão. O professor teria de sobreviver ao lado de uma mulher quase dois palmos abaixo dele.

O Professor [Completo]Leia esta história GRATUITAMENTE!