QUARENTA E UM: DEREK

1.5K 179 105

A conversa da Yuna com o Nicholas não sai da minha cabeça, não fazia sentido algum ela estar grávida de quatro semanas, havíamos transado uma semana antes, não teria como esse filho ser meu, pelo menos eu acho que não.

Estamos sentado diante da mesa de jantar repleta de coisas que a minha mãe havia comprado, tem nachos, massas, molhos e algumas outras coisas que me fazem salivar só pelo cheiro que transmitem. Nicholas está sentado à minha frente, parece estar nervoso, não posso culpá-lo, o que minha mãe havia dito minutos atrás também me causou um certo desconforto, ela insinuou algo, como se realmente estivesse explícito que nós dois tínhamos algo.

O problema é que tínhamos, tínhamos algo e embora eu precisasse esconder, eu não queria. Eu queria expor para o mundo que o Nicholas era meu, somente meu. Que estávamos juntos e feliz e que nada ou nenhum desafio iria nos atrapalhar dessa vez, eu queria parar de fingir, de deixar mais do que claro que foi tolice minha esconder um sentimento que estava começando a brotar dentro de mim.

É engraçado, tempos atrás eu tinha a maior convicção de que eu era hétero e meio que ainda tenho, afinal, ainda gosto de garotas. Mas o meu sentimento pelo Nicholas começou naquela noite, depois da festa do Adam, quando a gente foi parar debaixo do chuveiro juntos e ali a gente deu o nosso primeiro beijo, quente, molhado, intenso e excitante, um dos melhores beijos da minha vida.

A comida é servida por minha mãe que puxa diversos assuntos com o Nicholas enquanto eu apenas concordo com a cabeça, pegando algumas garfadas vez ou outra, não estou com cabeça para conversas, a questão da Yuna é algo que me gela por dentro, foi irresponsabilidade minha, e se for meu, meu pai irá me matar, não literalmente, eu espero.

— Derek Bernard Hale! — minha mãe chama, olhando para mim. — Estamos tentando dialogar aqui, mas se você não participar isso não vai dar certo. — ela diz, olhando para mim enquanto toma um pouco do vinho, o típico vinho, ela sempre está com uma taça nas mãos.

— Desculpem, eu estava meio aéreo, pensando em algumas coisas.

— Jura mesmo? — ela debocha, tinha que ser minha mãe mesmo. — Eu nem percebi.

Novamente eu reviro os olhos, como eu já havia feito muitas vezes naquela dia. Para não ter que debater com nenhum dos dois, dou uma nova garfada no macarrão com molho.

**

A conversa da mesa gira em torno da gravidez da mãe do Nicholas, ele diz estar feliz por ela ganhar um novo filho e eu o provoco dizendo que ele vai perder o posto de predileto, aquilo faz ele mostrar o dedo do meio para mim. Após a refeição, Nicholas tira a mesa sozinho e deixa para mim e para a minha mãe o trabalho de lavar as louças, secar e guardar tudo em seus devidos lugares, eu até reclamaria por ele não ajudar, mas ele teve motivo para isso, sua mãe pediu para que ele à ligasse imediatamente, e por isso ele retornou ao segundo andar, me deixando a sós na cozinha com a minha mãe.

— É ele, não é? — minha mãe pergunta do nada, ela está de costas para mim, lavando um dos pratos. Estou encostado no balcão central da cozinha, com uma toalha de prato em mãos. A pergunta seca minha garganta, é como se eu tivesse tomado um soco no estômago.

— Ele o quê? — me faço de desentendido.

— Não se faça de desentendido, Derek. — ela se vira para mim. — Você gosta do Nicholas, não é mesmo? — ela continua. — Antes que você diga que não, eu sei que gosta, sempre soube, o jeito como vocês cuidam um do outro é indescritível, a forma como vocês estavam abraçados.. como você estava mal por ele não estar aqui.. — ela permanece listando coisas. — É ele, não é?

Depois do Ritual (Romance Gay)Leia esta história GRATUITAMENTE!