TRINTA E UM: ALISON

1.3K 181 154

Sou obrigada a observar o Nicholas indo embora enquanto o Derek não faz nada, eu sabia que eles terminariam assim, desde o começo eu fui contra esse desafio, é isso o que acontece quando um formando que se acha o dono do mundo resolve desafiar alguém. Até posso estar chateada com o Nicholas, assim como também estou chateada com o Derek, ambos fizeram a Kimberly sofrer mas não quero ver nenhum dos dois assim, são meus amigos. 

— Você não vai atrás dele? — pergunto ao Derek que ainda permanece com a mão no peito enquanto o Nicholas vai sumindo por dentro da mata, ele anda rápido, como se quisesse correr dali mas estivesse envergonhado demais para fazer isso. 

— Por que eu iria? — ele responde de forma ríspida mas logo se arrepende. — É exatamente o que ele quer, você não percebeu? Ele faz todo esse drama e depois vai embora porque sempre espera que alguém vá atrás dele, não vou dar esse gostinho para ele, não hoje, Alison. 

Infelizmente eu tenho que concordar, desde sempre o Nicholas faz um drama terrível por problemas pequenos, foi o que aconteceu com a Kimberly, eles não são namorados, ele não tinha direito algum de ficar chateado com ela, além do mais, fazia parte do desafio dela.

— Tudo bem, e o que nós dois vamos fazer? — questiono, nenhum pouco entretida depois daquela discussão de casal. 

— A gente pode continuar aqui, ainda é sábado. — ele sugere. — Ou podemos desmontar a barraca, arrumar as coisas e irmos para casa, seria uma boa opção também. 

— Concordo com a última opção, não vai ter graça ficar aqui se não for para ver vocês dois implicando um com o outro. 

— Está me chamando de chato? — Derek ergue uma das suas sobrancelhas grossas e loiras enquanto olha para mim. 

— Se te atingiu é porque você é. — ergo meus braços em redenção. — Não acredito que eu organizei tudo para vim pra cá e agora vamos embora, vou matar o Nicholas assim que eu encontra-lo. 

— Que tal parar de reclamar e me ajudar aqui? — Derek chama enquanto tenta desmontar a barraca.

A viagem de volta a cidade é feita em silêncio, trocamos poucas palavras e isso não me incomoda, embora fossemos amigos eu estava realmente chateada com o Derek por causa da Kim, assim como ele era o melhor amigo do Nicholas, eu era a melhor amiga dela, jamais vou deixar alguém machuca-la.

— Você tem que pedir desculpas a ela, sabe disso não é? — quebro o silêncio mais uma vez, antes eu sugeri que ele ligasse o rádio que agora toca Believer do Imagine Dragons. 

— Eu não vou fazer isso, Alison. — ele olha para mim rapidamente. — Você tem que parar de ser tão irritante e cheia de si às vezes, eu sei que você não concorda com a maioria das coisas mas eu não tenho obrigação alguma de seguir o que você acha ou deixa de achar, a Kim é o seu cão de estimação, não eu.

Tenho vontade de dar outro soco em seu peito, bem no local que o Nicholas bateu.

— Não é sua obrigação mas você deveria reconhecer que magoou uma pessoa, Derek. — tento manter meu tom de voz baixo embora eu queira gritar. — É o que você faz com todo mundo, não é mesmo? — consigo dar uma boa risada sarcástica. — Você magoou a Kimberly porque ela gosta do Nicholas e estava próxima dele quando você magoou ele por algum motivo desconhecido que infelizmente ele não me contou, eu adoraria saber para esfrega-lo na sua cara. — ele permanece calado. — E a Kimberly não é meu cão de guarda, ela é a minha amiga, sempre vou defender ela. 

— Engraçado, você gosta tanto de falar da vida dos outros mas não tem coragem de dizer para ninguém que é lésbica. — ele sorri debochado. 

— O quê!?

— Eu vi você beijando outras duas garotas na festa do Adam, como foi a experiência? — ele olha para mim novamente. — Sempre quis beijar duas garotas ao mesmo tempo mas elas não aceitavam dividir. 

— O quê está acontecendo com você, Derek? — pergunto incrédula. — Você era uma pessoa tão boa, nunca atacou ninguém por absolutamente nada e agora está assim com todos nós, o que está acontecendo? — tento ignorar sua provocação, não é da conta dele o que eu faço ou deixo de fazer. 

— Não mude de assunto, Ali. 

— Eu não quero falar sobre isso, não desrespeita a você quem eu beijo ou deixo de beijar, você deveria se preocupar com o que aconteceu com o Nicholas durante aquela festa, eu encontrei ele tão chapado, tão fora de si.. foi algo estranho, como se alguma tivesse acontecido. 

— Ele me contaria se algo tivesse acontecido. 

— Acha mesmo que ele contaria? Você já havia dado vários problemas para ele naquela noite, ou esqueceu sua briguinha? — agora sou eu quem debocho.

Derek puxa o ar e o solta logo em seguida, sei que ele está estressado, eu também estaria. Ele não responde absolutamente nada e embora eu esteja disposta a continuar aquela discussão, cesso por uns instantes apenas para verificar as notificações do meu celular.

Adam: Conseguiu separar eles dois?

Nem precisei. A instrução do Adam era muito clara, enquanto o desafio do Nicholas e do Derek era fingir um namoro, a minha era destruir ele. Desde o começo eu fui contra, desde o começo eu tentei intervir e levar o Nicholas para a Kimberly. Isso era algo chato de se fazer, não queria magoar nenhum dos dois. O Adam vem de uma família influente, ele garantiu que se eu conseguisse fazer os dois desistir desafio — para o carro permanecer sendo dele —, ele iria pedir para o pai investir na loja de discos da minha família.

Alison: Consegui.

Eu minto. Eu não consegui separar eles dois, isso aconteceu de forma natural, eles fizeram isso por mim.
Dói quando penso que agi contra eles dois, mas a dor passa quando eu lembro que não fiz absolutamente nada de verdade, o erro foi do Derek e a decisão foi do Nicholas.

Adam: Boa garota, esse é o fim do seu desafio. Vou falar com o meu pai sobre a situação da sua loja, acho que podemos dar uma boa investida lá, isso vai aumentar a renda do seu pai.

— Pode me deixar aqui. — digo para o Derek após enfiar meu celular dentro da mochila. Estamos próximos da praça principal, por ser sábado o local está extremamente movimentado, é por isso que eu amo São Francisco. 

— Tem certeza? — ele pergunta, aparentemente mais calmo após o restante da viagem em silêncio. 

— Tenho, a gente se vê na segunda, pense um pouco, reconheça seus erros, eu sei que por dentro dessa armadura existe alguém com coração. — é a minha resposta antes de destravar o cinto e bater a porta.

Depois do Ritual (Romance Gay)Leia esta história GRATUITAMENTE!