09 Decidir o Caminho

46 8 0
                                          


Com o retorno da maioria dos que haviam perdido a vida e voltado para o início da segunda fase, eles resolveram conversar sobre qual caminho seguiriam. Ficaram ao redor de uma fogueira e começaram a discutir sobre qual portal escolher. O portal branco ficou descartado ante a presença dos tubarões. Cafil disse:

– Meus amigos entendo que temos que fazer a votação para saber que caminho seguir.

Fileno pediu a palavra:

– Guerreiros, quero dizer que não concordo com a ida pelo portal vermelho, como já falei para alguns guerreiros, no meu planeta há também frutinhas como essas que nossos amigos comeram e ficaram como zumbis. Quem se utiliza deste tipo de fruta para deixar a presa desnorteada são predadores inteligentes, não acho bom corrermos este risco.

– Eu quero falar também.

– Pode falar, Sereia. – Cafil deu a palavra a Sereia.

– Quero reforçar sobre a lenda do bicho com cabeça de touro e corpo de homem, para quem não sabe homem tem a forma de nossos Smoshon... bem, dá relação entre o bicho e uma deusa sábia, nasceu um híbrido inteligente que devora suas vítimas dopadas, talvez seja ele.

– Então, você crê que este híbrido pode estar neste portal? – Cafil a indagou.

– Sim, pensei sobre o assunto e eu não me arriscaria a seguir por este caminho.

– Tudo bem, alguém mais quer a palavra? – Cafil continuou.

Davi levantou a mão e começou a falar:

– Eu não sei se o portal amarelo é seguro, no entanto, até onde fomos não vimos nada assustador.

– Gostaria que levantassem as mãos quem quer seguir pelo portal vermelho.

Cafil contou e dos presentes um terço levantou as mãos.

– Bem, agora gostaria que levantasse as mãos quem deseja seguir pelo portal amarelo.

Cafil voltou a contar e os outros dois terços levantam as mãos.

– Pela votação ganhou o portal amarelo, acho que agora devemos organizar tudo e partir.

Todos se levantaram e começaram a se preparar para a partida, um grupo se separou e começou a conversar, um vento frio pairava dentro da caverna, Zoraide foi até o amigo Davi e disse:

– Meu amigo sei que depois que voltei eu tenho ficado um pouco distante de você.

– Eu percebi e acho que é por conta de algo que não tem nada a ver, o seu lugar ninguém toma, nós estamos juntos desde o início, gosto dela, mas nada se compara a amizade que tenho com você e Cafil.

Os amigos se abraçaram e a guerreira Sereia que estava vindo disse:

– Não estou gostando dessa aproximação exagerada com meu Davi.

– Sua engraçadinha, lembre-se, cheguei primeiro! – Zoraide retrucou.

– E daí?

Sereia apoiou a mão direita no ombro de Davi que apenas sorriu com a cena ali apresentada.

– Me diz uma coisa, todos te chamam de Sereia, mas qual o seu nome?

– Nome eu tenho sim, mas só um Smoshon especial pode saber.

– Ah! Está certo.

– Todos me chamam de Sereia e vai ficar Sereia mesmo.

– Davi, você é o tal Smoshon especial? – Zoraide o indagou em tom de reprovação.

– Ele não precisa responder, todos, inclusive você, sabem que sim.

Cafil chegou e disse:

– Davi, meu amigo, você está bem? Duas guerreiras brigando por você!

– Eu não estou brigando! – Zoraide afirmou.

– Pois eu estou. – Sereia falou em tom de provocação.

Davi deu um empurrão em Zoraide e disse:

– Zoraide, briga por mim também, tem que ser as duas, meu ego agradece, caso contrário não tem graça.

– Vai procurar gigante, Davi!

Todos riram.

– Vão arrumar os seus pertences que temos que ir, Zoraide, se chateie comigo não, adoro você meu monstrinho preferido. – Cafil abraçou a amiga – Eu estava só tentando quebrar o clima chato de vocês três, você sabe que está num lugar especial em meu coração de vermezinho.

    – Cafil,como você mesmo disse, vamos nos aprontar para irmos! 

Guerreiros dos Mundos - Em Busca do Planeta MãeOnde as histórias ganham vida. Descobre agora