Capítulo 1: Eu sou uma Semideusa?

21 2 0

Estava andando pelas ruas de Nova York, a manhã estava fria como de costume. Inspiro fundo e sinto o ar gelado entrar em meus pulmões depois expiro e o ar vira uma pequena... hãn, nuvem de fumaça?

Adentro um dos becos, me deparando com um garoto acho que mais velho que eu. E um monstro de aproximadamente dois metros de altura, com somente UM OLHO bem no MEIO DA TESTA!, usando uma toga de plástico, segurando uma clava de madeira.

Acho que errei o caminho.
Putz é melhor eu voltar!

Mas antes que eu pudesse dar meia volta e ir embora, aquele monstro deficiente ocular me viu.

Vish, lasquei-me!

Ele anda na minha direção e um sorriso divertido brota em meus lábios.

O monstro fica a um metro de distancia de mim e diz:

- O que temos aqui? Dois semideuses preciosos! Hoje é meu dia de sorte! - ele solta uma risada maligna.

Olho para os lados procurando algo para bater nele, e vejo um bastão de ferro.
O.k. né? Quem não tem cão caça com gato, não é o que diz aquele ditado?

O monstro ainda está a minha frente, me olhando. Me aproximei dele - com uma coragem que não sei da onde surgiu -. Ele me ataca com a clava mas eu desvio e o ataco com o bastão o acertando no braço. Ele por sua vez desvia, e volta a me atacar e eu continuo desviando mas, do nada ele explode em purpurina dourada que o vento forte a espalha.

- Mas, o que...? - murmuro surpresa. Olho para onde o monstro estava e vejo o garoto ofegante.

Ele era bastante parecido comigo. A diferença é que, tenho cabelos pintados de lilás com as pontas azuis claro.

O garoto é magro, tinha cabelos pretos desarrumados, olhos pretos e era assustadoramente pálido. Usava uma camisa preta com uma caveira branca, uma calça jeans e uma jaqueta de aviador, um tênis surrado e segurava uma espada negra.

Uau, um gótico...

- O que era aquilo? E quem é você? - pergunto ao garoto.

- Aquilo era um ciclope. E eu sou o Nico. - ele estende a mão para me cumprimentar - ...Di Angelo. - aperto sua mão e digo:

- Harley Walker. - sorrimos. - Por que aquilo estava te atacando?

- Longa história. Lhe explico no caminho. Vamos? - ele pergunta e eu franzi a testa e ergui as sombrancelhas.

- Primeiro, vamos? Segundo onde? - pergunto confusa.

- Sim, vamos ao acampamento meio-sangue. Se todos os sinais estiverem certo, você provavelmente é uma semideusa. E é meu dever leva-lá em segurança ao acampamento meio-sangue. - ele explica.

Isso é o que me faltava: um gótico de nome italiano querendo me levar a um acampamento de inverno, verão, outono ou primavera.

- Preciso ir para casa. Não tenho tempo pra isso. Tchau - viro as costas mas volto a atenção a Nico. - Quer vir junto? Você parece... - estranho - Cansado.

Começamos a caminhar até minha casa, que por sorte era perto.

Durante o trajeto fomos conversando, Nico era um garoto muito legal e gentil. Bem diferente do que aparenta ser.
Chegamos na minha casa e entramos.

- Mãe! Trouxe visita! - grito e logo uma mulher, de cabelos compridos lisos castanhos e olhos castanhos escuros, aparece. Usando de avental preto e branco segurando uma panela com algo que — de onde eu estou,— parece ser brigadeiro.

A Garota Dos Olhos Obsidiana » book oneLeia esta história GRATUITAMENTE!