18

485 26 1

3 meses depois

Estamos agora em fins de novembro e estes meses que passaram foram algo interessantes.
Não, não pensem que me comecei a dar bem com o Mitroglou, porque isso até está longe de acontecer. Mas aproximei-me imenso de alguns dos jogadores da equipa. Tanto que neste momento estou em casa do Raúl com ele, o Pizzi, o Franco e o Grimaldo. Acho que é o mesmo grupinho de sempre, não é verdade? 😅

"Isto não é justo" reclamei, pousando o comando da Play Station no meu colo e bufei

"E não é justo porquê?" o Grimaldo ri

"Vocês são futebolistas, é normal que ganhem a jogar FIFA"

"Isso nem tem nada haver!" o Raúl manda uma gargalhada "Apenas assume que és péssima nisto!"

"Não sou" insisti, mesmo sabendo que ele estava certo "E por isso mesmo, desafio-te a mais um round"

"Outra vez?" ele riu "Andas com vontadinha de perder"

"Cheguei com as bebidas" o Pizzi anuncia ao fechar a porta.

"Já não era sem tempo!" reclama o Franco, tirando uma cerveja do saco. O Pizzi espalhou as bebidas pela mesa e depois sentou-se ao meu lado

"E uma bebida não alcoólica aqui para a miúda que se acha princesa" ele fala, entregando-me a lata de Iced Tea.

"Princesa nada, eu sou rainha"

"Então e a rainha já está pronta para perder mais uma vez ou nem por isso?" o Raúl diz já impaciente

"Mas ainda vão jogar mais?! Tava mesmo com vontade de um filme" o Pizzi encosta-se mais ao sofá enquanto reclama.

"Apoiado" o Franco fala após beber um gole da sua cerveja.

"Então filme seja" o Grimaldo acaba por se levantar e ir desligar a Play Station para meter um filme. Após muito discutirem acabaram por escolher o Magic Mike.

"Isto não é sobre um stripper ou lá o que é?" perguntei confusa com a escolha deles

"Sim" o Pizzi ri mao meu lado "Por isso tu vais gostar"

"Cá para mim vocês já estão é a fazer estudo de mercado caso a carreira no futebol corra mal" todos mandaram-me calar e depois riram-se, finalmente dando atenção ao filme. Estávamos perto de metade do filme quando o Franco põe o filme em pausa para ir fazer pipocas

"Passa-me uma manta por favor" peço ao Raul que estava ao lado das mesmas.

"Passa-me uma também" o Pizzi acaba por também querer uma.

"Não tenho duas, só uma mas é grande o suficiente para os dois"

"Manda!" disse, recebendo a manta nas minhas mãos. O Pizzi passou a manta à volta dos nossos corpos.

"Hum, essa manta consegue esconder muita coisa, só se vê as vossas caras" o Franco diz ao sair da cozinha, com um sorrisinho de lado.

"Cala-te" resmunguei, sentindo os braços do Pizzi envolverem-me sem que se notasse muito fora da manta. Adoro quando ele me abraça e me aperta contra o seu peito. Consigo sentir o coração a bater, o calor dele, é simplesmente relaxante. Só é pena é que aconteça poucas vezes.
É impressionante o quão próximos ficamos nestes últimos meses sendo que nos conhecemos já há dois anos. E não estou a falar só do Pizzi, a equipa em geral.
Desligaram novamente as luzes e continuamos a ver o filme. Às vezes sentia a vibração no peito dele quando ria de alguma cena no filme.
A verdade é que já estava a ficar com sono, Magic Mike definitivamente não era um filme do meu estilo. Não consegui controlar um bocejo.

"Eu não acredito que uma rapariga está com sono a ver o Magic Mike" o Pizzi diz numa gargalhada

"Deixa-me, acordei cedo hoje okay" reclamei, não conseguindo evitar um riso.

"A tua sorte é que está no fim" o Franco diz com a boca cheia de pipocas

"Isso quer dizer que já viste o filme?" o Grimaldo pergunta

"Mais do que uma vez" ele meteu uma nova mão cheia de pipocas à boca

"Cá para mim gostas demais dos moves do Channing Tatum... Estás a tentar dizer-nos alguma coisa, Cervi?" provoquei-o, o que o fez quase engasgar-se nas pipocas e tentar bater-me

"Oh, calminha. Não se bate nas meninas" o Pizzi diz, escondendo-me nos seus braços

"Aww" foi a única coisa que se ouviu eu dizer abafado pela manta e o peito do Pizzi

"Isto foi tudo para se aproveitar da situação e abraçar-se à Maria" o Raúl tenta agora provocar o homem que me abraçava.

"Já nem vale a pena comentar" o Pizzi suspira, e eu acabei por reparar que o filme acabou

"Pronto, acho que vou andando antes que adormeça ao volante" disse, soltando-me dos braços que ainda me agarravam e saindo de baixo da manta

"Ah porque já tirei a carta e tal" o Raul goza comigo e eu apenas reviro os olhos

"Eu acho que vou aproveitar a deixa e ir também, já se faz tarde" o Pizzi levanta-se também e depois de nos despedirmos de todos dirigimo-nos ao elevador. Estava então a apertar o casaco quando ele decide falar.

"É bom ver que o teu pai já te está a soltar mais. Finalmente podemos sair todos juntos."

"É, mas mesmo assim só deixa se for constantemente a mandar mensagens ou assim mas tipo, olá já tenho 22 anos já sei cuidar de mim"

"Oh, não sejas assim. És a menina de ouro dele. Obvio que deve custar ver-te crescer e ele só te quer é proteger" ele fez-me uma pequena carícia na face, mas deve ter sido só um impulso porque logo afastou a mão e quase que posso jurar que ficou com as bochechas mais rosadas.

"Mas ele sabe que venho ter convosco," o elevador parou e nós saímos "qual é o mal que vocês me fazem?"

"Podemos apresentar-te um amigo e depois vocês começam a dar-se bem demais e isso para ele é muito mau." ele riu-se, abrindo a porta para eu passar e só depois passou

"Enfim, isto não interessa agora." tirei a chave do carro da minha mala "Bem, até amanha, então"

"Até amanhã" demos dois beijinhos nas bochechas um do outro e no fim um abraço bem apertado. Seguimos cada um o nosso caminho e visto que a casa do Raúl não era longe da minha, cheguei a casa num instante. Ao abrir a porta vejo o meu pai a ver televisão.

"Olá pai, já cheguei!" disse ao trancar a porta e dirigi-me até ele.

"Olá, hoje chegaste mais cedo do que aquilo que eu contava"

"Já é tarde, e amanha mesmo que não trabalhe tenho coisas para fazer. E não posso sair assim todas as noites não é?" disse com um pequeno riso, sentando-me ao lado dele no sofá. Não recebi qualquer resposta, provavelmente estava mais concentrado no que estava a dar na televisão do que propriamente ao que eu estava a dizer. Abracei-o e consegui perceber que ele ficou confuso, embora não tenha dito nada novamente

"Pai?" sussurrei

"Diz?"

"Sabes que nunca te vou deixar, não sabes?" uns segundos de silencio entre nós, apenas o som da televisão preenchia a casa

"E o porquê desta conversa agora?" consegui perceber pelo tom de voz que tinha um sorriso na cara

"Estive a falar sobre isso com o Pizzi e sei lá, fiquei a pensar..." finalmente olhei para ele, que me fez um carinho na bochecha tal como o Pizzi no elevador.

"Afinal parece que andares com eles nem te faz assim tanto mal" rimos os dois um pouco "é claro que há de chegar um dia que vais ter de me deixar, mas é bom ouvir isso, Maria"
Apenas sorri e avisei que ia subir, dando-lhe também um beijo de boa noite.

Groupchat (Benfica)Leia esta história GRATUITAMENTE!