O ciúme está no ar - parte 1

37 7 1

Demorei mas cheguei. E agora vou tentar manter um ritmo regular pois esse segundo livro já tem prazo para ser entregue com todas as revisões, alterações e bônus que for levar. Enquanto isso, vamos torcer para o Kensuke vencer as resistências de Emiko e a trégua acontecer entre as duas famílias. No outro livro todos os segredos e trapaças foram revelados, não é? Será mesmo?

Emiko tamborilava de leve sobre a pasta enquanto aguardava ser atendida. Tinha ficado bastante surpresa quando Nikko informou que Raiden-sama desejava falar com ela na empresa. Ao que parece seria uma conversa de negócios, uma consultoria talvez. Ele não soube explicar ao certo. Bem, não via nada de mais em ouvir uma proposta de trabalho. Precisava mesmo disso, afinal não queria ficar dependendo de ninguém. Stewart e Liam sempre lhe repassavam serviços de ilustração, todavia a editora ainda era pequena e não tinha tantos recursos assim. O melhor cliente deles era o primo de Stewart. Ela sabia bem que muito do que lhe era encaminhado, poderia ser feito por Liam com maestria. E eles economizariam com isso. Mas os amigos insistiam em manter essa parceria com ela, que tinha consciência de que essa era mais uma forma deles demonstrarem seu carinho. Queria poder pagar ao seu pai tudo que havia gasto com a internação de Daisuke. Não estavam se falando direito desde sua última discussão. Além disso, a morena sentia necessidade de manter sua independência. Prezava a liberdade que conquistou quando abriu mão de ser tão somente a herdeira Miyake.

Keiko havia ficado com os gêmeos para ela. Sorriu com a lembrança. Era uma tia dedicada e amorosa, mas quase sempre se deixava envolver nas maluquices dos pequenos. Provavelmente quando chegasse em casa eles teriam acabado com os tomates e os doces. Como Nikko tinha uma reunião fora da empresa, ela preferiu ir sozinha de táxi. Ele bem que havia insistido em que ela pedisse a Kensuke para lhe dar uma carona. Mas ela mais uma vez deu uma desculpa para evitar ficar sozinha com o pai de seus filhos. Acomodada no confortável e luxuoso sofá da sala de espera da presidência das empresas Takeda, pensava nos acontecimentos dos últimos dias. Fazia pouco mais de uma semana desde o episódio do apartamento. No dia seguinte, ela já teve noção de que as coisas iam ficar mais complicadas. Kensuke lembrou de algum momento íntimo deles, ela tinha certeza disso. Primeiro porque insistia em lhe chamar pelo antigo apelido, Tenshi. Só ele a chamava assim antes e agora o tempo todo. A primeira vez que ele voltou a se referir a ela dessa forma foi na frente dos garotos, e eles logo quiseram saber porque. Ele, todo sorridente, explicou que lembrou que era assim que a tratava antes e ainda os convenceu de que era muito justo voltar a usar o apelido já que a mãe deles era mesmo um anjo. Como sentiu vontade de arrancar aquele sorriso da cara dele. Os gêmeos ficaram encantados com o tratamento carinhoso, até mesmo Daisuke parecia aprovar. E ela não podia fazer nada, nem reclamar nem pedir para parar, sem parecer uma megera ingrata aos olhos dos filhos. Já tinha tentado lhe lançar um olhar atravessado mas ele fingia que nem era com ele. Só a olhava com aquele jeito que a deixava sem chão. Se sentia como naqueles dias em que ele a perseguia na lanchonete. Pior, pois agora ele sempre dava um jeito de abraçá-la e ficar afagando seus cabelos na frente dos filhos, que pareciam bem confortáveis com essas cenas. Ao que parece, ver os pais se dando bem os deixava mais felizes. Ela estava fazendo de tudo para não ficarem sozinhos. Está certo que havia prometido não o afastar, mas ele também prometeu não pressionar. E no entendimento dela, ele não estava cumprindo bem a parte dele. Tinha que ser forte. Não ia ter um caso com ele de jeito nenhum. Isso já estava decidido para ela.

– Miyake-san? - chama a secretária. - Raiden-sama pediu que entre.

Hai. Arigatô. - agradece com gentileza. Entra na sala do presidente, admirando a sofisticada decoração. Raiden está sentado na escrivaninha escura, seu olhar atento aos papéis a sua frente. - Com licença Raiden-sama. Bom dia. - o Takeda levanta os olhos e esboça um sorriso.

Akai Ito - TenazLeia esta história GRATUITAMENTE!