Capítulo 45 - Ivy

39 5 1


Chegamos ao morro, e começo a montar um precário acampamento, durante o percurso encontrei algumas coisas que poderiam ser uteis, como gravetos secos, e folhas longas que servem bem para cobrir o chão e nos deixar dormir com mais conforto, amaldiçoo Dorpax com todas as minhas forças já que ele ficou com meu punhal, uma arma seria útil neste lugar.

-Tem algo que preciso contar. –Digo, então conto sobre a senhorinha que me visitou no templo, enquanto faço uma fogueira e acendo para nos mantermos aquecida, sei que não é o ideal, já que assim podem nos encontrar, mas é melhor do que morrer de frio.

-E você só conta isso agora? É com certeza um enigma. –Diz Terna e começa a andar em volta da fogueira pensativa. –Agora fale novamente as exatas palavras dela.

Respiro fundo e volta declamar.

"Os dados foram lançados

Seu destino foi traçado

Em breve seu inimigo será revelado

E terá que ser derrotado

Se fortaleça, lute e vença

Cuide do que é seu

Uma trapaça já foi feita

Por isto estou aqui

Cuidando do que é meu".

Desvende

És pó, de desejos que queremos conquistar.

És pó, de desejos que queremos ocultar.

És pó, de desejos que o coração sustenta.

Três distintas almas predestinadas a lutar, com aquele que não pode sonhar, pecar ou desejar.

Quem é?

Se aqui descortinar, a fera se mostrará.

E Cada pó verá seu teste, mas deve andar só.

E no fim desta jornada o pó se une e completa a fera.

-Bem, a primeira parte é óbvia. –Diz Terna, eu concordo mesmo não achando nada obvio. – diz que o inimigo vai aparecer e que você precisa se fortalecer vencer. Mas o que ela quis dizer com "Cuide do que é seu...Uma trapaça já foi feita Por isto estou aqui, Cuidando do que é meu. " Parece que ela está dando mais de uma dica, talvez ela soubesse que estava gravida...

-Claro. Isso faz todo o sentido. -Digo revirando os olhos. –Acho que o importante é o que vem agora, por que ela diz... "Desvende" Acho que aqui que surgem as dicas para derrotar, sei lá o que aparecem, mas não faz sentindo.

-Bem, um pouco faz, mas só se está estiver falando que vamos derrotar o mesmo monstro, veja bem... O pó somos nós, Fairy sempre falou que somos pó de estrelas. Portando quando ela diz; "És pó, de desejos que queremos conquistar" Está falando de você, ou melhor, do seu sentimento, esperança. E quando diz, "És pó, de desejos que queremos ocultar" Ela fala de mim, como depravação. E quando fala "És pó, de desejos que o coração sustenta" Fala de paixão, que pode também ser nós duas, mas ai deixa de fazer sentido... pois se for parar para pensar nas próximas frases deveríamos ser três... "Três distintas almas predestinadas a lutar, com aquele que não pode sonhar, pecar ou desejar." Mas talvez o terceiro seja o próprio monstro, e ela está dando uma dica de como acabar com ele...

-Mas e quando ela diz, "Quem é? Se aqui descortinar, a fera se mostrará. E Cada pó verá seu teste, mas deve andar só. E no fim desta jornada o pó se une e completa a fera" Parece que ela fala de mais alguém. – Divago pensativa, com enigma da senhorinha louca começando a fazer sentido.

-Sim, faz todo sentido sermos três contra o monstro. –Diz terna desesperada.

-Concordo. –Diz uma voz suave.

Terna e eu viramos juntas na direção daquela bela voz. Então conseguimos ver a silhueta de uma mulher saindo aos poucos das sombras. Terna pula no lugar e fica em pé, ela segura seu peito e seus olhos estão arregalados, já eu estou na defensiva. Quando a figura se aproxima, noto que ela é mais baixa que nós. Primeiro ela sorri tímida, seu rosto triangular tem um ar de determinação fora do normal, ela também é repleta de sardas, seu corpo é magro e sem muitas curvas, os lábios formam um bico travesso, e quando percebe que não a atacaremos um sorriso determinado se ajeita ali, o narizinho dá a ela um aspecto rebelde por ser arrebitado. É estranho a maneira como ela encara Terna com seus olhos que parecem fruta cor, e seus longos cabelos, parecem com a aurora boreal do continente mais frio de Gardia oscilando em tons de verde, azul e roxo.

– Deixem que eu me apresente, sou a soberana da paixão, meu nome é Aurora. –Diz ela com outro sorriso travesso.

Os Soberanos de GardiaLeia esta história GRATUITAMENTE!