CONFISSÃO #3: ME SENTI CULPADO PELO SOFRIMENTO DA MINHA FAMÍLIA

1.7K 154 12
                                          


PARTE 7 - XEQUE-MATE

Fui trabalhar e deixei a minha irmã com a bombanas mãos. Mas fui mais tranquilo. Sabia que mais tarde chegaria em casa e umproblemão já estaria resolvido. Tinha que dar uma aula de xadrez para criançasnuma escola particular. Bom, você acaba de saber que é soropositivo e o quefaz? Dá uma aula de xadrez... é claro! Nada melhor para testar realmente suacapacidade de concentração. Vou ser honesto, não sei de onde tirei força. Minhavontade era sair correndo pra qualquer lugar. Mas as crianças não tinham nadaque ver com meus problemas. Então quando terminou a aula, juntei o tabuleirogigante e as peças enormes que usamos no pátio e fui para a academia. Nocaminho, mandei uma mensagem para um grupo no Facebook de meus amigos quecarrego desde o ensino médio: "vou ser direto, estou com HIV". 

PARTE 8 - O SHOW TEM QUE CONTINUAR

Eu ainda tinha um intervalo de uma hora, então desliguei meu celular, fiz musculação e depois dei duas aulas seguidas de Bike Indoor. Tem noção? Honestamente nem eu sei como eu consegui.

Eu pedalava, gritava e tudo mais no automático. Eu acho que o meu estado de choque me fez seguir trabalhando. No intervalo de uma das aulas, enquanto eu olhava para o nada pela janela da minha sala, a secretária da academia chegou até mim. Ela tinha me visto chorando mais cedo com meu irmão ali mesmo. Me perguntou: "está tudo bem? Sabe que pode contar comigo no que precisar". Linda... Eu nunca vou esquecer. Naquela hora contou muito.

Na turma das 21h eu tinha uma aluna que tambémera muito amiga. Ela me levou de volta pra casa de carona. Enquanto eu estavano carro com ela conversando, tudo parecia bem. Até o momento em que eu desci.Poucos minutos antes do carro estacionar eu liguei meu celular novamente.

PARTE 9 - O SUPORTE

Foi só eu pisar os pés fora do carro que meu celular tocou. Era uma amiga muito importante. Nesse momento fiquei sabendo que meus amigos estavam loucos tentando falar comigo. Ela falou comigo chorando: "como você está? Não vai morrer né?"

"Vai ficar tudo bem", eu respondi. Claro que não me aguentei e chorei junto dela. Foi como um abraço em distância. Na verdade eu não sabia exatamente a resposta para ela. Eu não estava bem e não tinha certeza do meu futuro naquele momento.

Porém, para fechar a noite, eu ainda tinha que encarar o que estava tentando fugir desde cedo: meus pais. Tinha que subir as escadas e cada degrau era um gelo na barriga. Escutei meu pai dizendo, "lá vem ele".

Noque eu abri a porta lá estavam todos. Meus irmãos, meu ex-cunhado, minha sobrinha... Meus pais. Todos muitos abatidos, todos com o rosto inchado de chorar. Mas meus pais vieram até mim. Eu tinha crises compulsivas de choro e soluço. Eu sabia qual seria a reação deles no fim. O apoio incondicional, as palavras de amor. Nunca duvidei disso. Mas me acabava saber que tinha sido a causa de tanto sofrimento e medo naquele dia. Algo que eu poderia ter evitado, de repente. Vai saber.    

HIV/AIDS - Confissões de um soropositivoOnde as histórias ganham vida. Descobre agora