Obviamente, espadas

35 1 0

5


          — Uaaaaaaaahhhhh!!!

          Uma comoção explodiu enquanto Eastar e Aros caminhavam até cercado para o treino de espada, lá dentro um homem estava deitado no chão com uma espada no pescoço, ela era segurada por um homem negro de olhos negros, com a cabeça completamente raspada e sem barba, sua pele brilhava de suor e ele sorria, mostrando dentes incrivelmente brancos.

          A plateia sentada ao redor da cerca aplaudia e assobiava enquanto ele dava a mão ao jovem caído para ajudá-lo a se levantar. O comandante estelar se juntou a turma e todos se viraram para ele e seu filho que estavam na entrada do cercado.

          — Uma luta fantástica capitão Jorg, é sempre uma maravilha vê-lo com uma espada na mão.

          — Comandante! — O capitão abriu os braços, se virando para o recém-chegado. — Não me venha com lisonjas, ainda me deve uma revanche por hoje de manhã.

          — Ora ora, com toda certeza iremos repetir aquilo. Mas agora espero que possa dar um jeito neste moleque. — Apontou com o polegar para o filho ao seu lado.

          — Ah, o jovem Eastar. Prazer em revê-lo garoto. — disse o capitão, inclinando levemente a cabeça.

          Só então o jovem se lembrou que ele era o homem que acompanhava o rei quando chegaram a Londrian, o capitão que fora enviado as cozinhas para avisar dos novos convidados.

          — O prazer é meu, capitão. — O estelar inclinou a cabeça em resposta, e assim que o sirion se aproximou, apertaram as mãos.

          — Seu pai disse que você está treinando para aprender a usar as armas terráqueas. Pois bem, começaremos imediatamente com as espadas.

          Jorg assobiou para dois jovens que estavam observando do cercado e apontou para as espadas que estavam encostadas próximas a eles. Os jovens pegaram uma cada um e entregaram ao capitão.

          — Obrigado. Agora vão até Garret e peçam a ele duas espadas de poeira estelar que estejam sem gume.

          — Espadas de poeira? Já, Jorg? — Aros levantou uma sobrancelha com um pequeno sorriso interessado no rosto. — Pensei que o pivete treinaria apenas movimentos hoje.

          — Eu havia pensado isso no começo, mas depois que ouvi os arqueiros comentando sobre o treino dele essa manhã imaginei que já poderíamos ir com tudo.

          Jogou uma das espadas para Eastar que a pegou no ar, se virou e foi andando para o centro da pequena arena. O jovem o seguiu enquanto seu pai tomava lugar sentado na cerca perto dos outros soldados, que já estavam ali para apreciar o máximo possível do evento.

          — Muito bem, creio que você aprenda rápido as coisas garoto, então quero que primeiro observe meus movimentos e depois os repita. —

          O aluno acenou com a cabeça, a expressão séria.

          Jorg afastou as pernas, e levantou a espada com a mão direita enquanto mantinha a esquerda parada ao lado do corpo. Desceu a espada verticalmente e devagar, observando com o canto do olho se o garoto prestava atenção, se surpreendeu com a concentração que parecia vir dos olhos dele. Voltando a se concentrar nos movimentos torceu o pulso e subiu a espada na diagonal, abrindo o braço esquerdo. Então girou e parou com a espada segura nas duas mãos e próxima do rosto. Depois foi dando passos para a frente enquanto executava golpes variados. Até que parou de repente e olhou para Eastar.

A Crônica de EastarOnde as histórias ganham vida. Descobre agora